Argentina é força bruta

26 maio
 
 
 
 

Acrobatas do grupo Fuerza Bruta na Avenida Diagonal

“Viva La pátria, carajo!”. Assim o argentino Fito Paez começou o show de encerramento dos quatros largos dias de comemoração pelos duzentos anos da Revolução de Maio, que outorgou autonomia ao seu país. Três horas antes nos retorcíamos de emoção, com olhos marejados, pelos de todo corpo arrepiados, queixos caídos, palavras tragadas para dentro diante do espetáculo de proporções helênicas que cruzou a Avenida Diagonal vindo da Praça de Maio.

 O grupo Fuerza Bruta usou uma série de alegorias para contar a história do Bicentenário Argentino. Houve chuva de papel, espuma, penas, água, palha em um espetáculo que deixou extasiada a gente, asfixiado de emoção o público que, não cabendo nas calçadas trepava em prédios,  árvores, postes, bancas de revistas e andaimes. Para se ter uma idéia, dois milhões de pessoas assistiram ao desfile, segundo li, mais assistência do que o enterro de Evita.

Multidao em extase

Tradicionais taxis trazem dançarinos e músicosDos tradicionais taxis portenhos saltavam casais de bailarinos de tango movidos pela doçura dos acordeons que tocavam o emblemático clássico nacional “Volver”, numa cena tão delicada que fez latejar o coração da gente. No barco, que trouxe os imigrantes, acrobatas se penduravam num balé incrível tricotado nas alturas, enquanto a constituição argentina pegava fogo pendurada em um andaime.

Com carro que trouxe as madres de mayo, mulheres cujos filhos desapareceram na história, veio também o frio causado pela chuva que caia eternamente nas mães destituídas dos seus.

Chove e faz frio para as maes sem filhos

Os soldados derrotados nas Malvinas arrastavam seus corpos fracassados pela rua numa marcha lúgubre e desiluda. Enquanto isso, em outra alegoria, xamãs verdadeiros abençoavam o público. 

Homenagem aos mortos de Malvinas

Piqueteros de Perón

Os “piqueteros” de Perón lembravam uma época de aspirações comunistas distribuindo panfletos, entoando gritos de guerra e faixas de apoio ao general e sua mulher, Evita.  Até a bancarrota argentina esteve representada por uma alegoria que trazia acrobatas envolvidos em um vendaval de dinheiro, ora rasgando notas,ora atirando as células ao povo.Noalto do carro, as cotações do dólar não paravam, uma óbvia referencia ao desvalorização da moeda.  

Na representaçao do povo que cruzou os Andes chega a nevar na avenida

Nesses quatro dias de festa, estivemos recorrendo as ruas da cidade com nossa curiosidade brasileira, absorvidos pela energia que nos consumia, pés ardendo de percorrer largas distancias, corações acelerados com o descobrir de novas coisas e apaixonados pela latinidade que a cidade nos despertava. Submergidos de carona no despertar de uma nova era de outro povo, e entusiastas da felicidade alheia, chegamos a desejar o mesmo bem a uma pátria que não é nossa.

Soldados Vencidos

Questionamos nossas diferenças apenas para chegar à conclusão que não existem muitas. E que o futebol não é retórica coerente para nosso isolamento.  Concluímos que existem mais similaridades que distinções, mais amor que distorções.  E que, como disse Eduardo Galeano, somos o povo que desde a infância da história nos acostumamos a perder e que isso é mais um motivo para nossa coesão.  Nesse 25 de maio, vivendo aqui, me corrijo : não é happy birthday e sim parabéns Argentina!

Parabéns Argentina!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: