¿Gardel quien sois?

24 jun

 

Gardel: frances de nascimento, porteño de alma

Estou habituada a passar pela foto de Carlos Gardel e lhe fazer silenciosa reverencia. Sempre que vejo sua imagem pendurada em uma parrilla em San Telmo ou nas bancas da Plaza de Mayo me pergunto quem foi Gardel. E, tirando as obvias diferencias e relevância, me acostumei a identificar-me um pouco com ele. Esse estrangeiro tão adaptado . Já falei sobre isso aqui. Gardel nasceu em Toulouse, na França. Foi cuspido junto a sua mãe solteira de um navio português no bairro de Boca. Mas, era porteño em sua alma. E sempre que perguntado sobre sua nacionalidade dizia: “Nasci em Buenos Aires aos dois anos e meio de idade”.  E, hoje, fazem exatos 75 anos de sua morte em um trágico acidente aéreo em Medellín.

Se me perguntarem hoje o verdadeiro motivo da minha vinda para a Argentina serei obrigada a contar a verdade. Vim porque havia parado de aprender onde estava. Sentia a falta intangível das coisas que não sabia como a fisgada que sentem aqueles que perderam um membro. Por isso, quando descubro algo novo é como se recuperasse este membro amputado. Sempre quis saber mais sobre Gardel. E todas as vezes que vejo aquela sua clássica foto de chapéu meio aprumado, olhos vivos e pele afeitada me lembro um pouco de Elvis e os cílios animados que tinha antes de descender lentamente o caminho de sua imagem.

Minha saudaçao silenciosa...

Hoje, pela manhã, no café da Universidade, ia passando com meu “cortado” e quase me escapa a capa do Clarín com uma aquarela do moço e o título “Um ídolo sin tiempo”.  Estou acostumada a sua onipresença como ao cheiro de churrasco que percorre as curvas das ruas porteñas em uma singela passeata de aromas. É tanto para aprender que Charles Romuald Gardes, ou Carlos Gardel, El Morocho de Abasto, havia escapado de minhas leituras. Por isso, mal posso esconder minha felicidade ao ler o artigo de hoje do jornal. Se você não vai a Gardel, Gardel vai a você.

Assim descobri que como eu e Maradona, El Morocho também travava uma luta silenciosa contra a balança. Era filho de Berthe Gardes Camarès, tenaz jovem de vinte e sete anos que desembarcou nesta terra no começo do século passado trazendo nada mais nada menos que um dos pais do tango cantado. Ironia do destino para quem, coincidentemente, não gozava de uma figura paterna. Doña Berta , como era conhecida, levava a vida como muitas imigrantes francesas passando roupa para fora em Abasto que naquela época era subúrbio da capital e hoje é uma das veias nervosas e coronarianas da cidade.

 

Gardel e Le Pera: parceria Brasileira

Gardel, como tantos outros ícones da historia humana, vivia boemiamente de café em café, de paixão a paixão.  Dizem que seu pai poderia ter sido um engenheiro burguês de nome Paul Lasserre, ou um monge primo de sua mãe ou mesmo o coronel uruguaio coronel Carlos Escayola, mas a verdade é que sabemos apenas o que gerou Gardel, mas não como foi gerado. De Bordel em bordel, de bar em bar, el francesito ia construindo sua fama. Eu não sabia, no entanto, que nessa estória havia um dedo brasileiro. Com Alfredo Le Pera que Carlito é catapultado a fama. O Brasileiro de nascimento, paulista, Le Pera, porteño de criação, foi um de seus principais parceiros artísticos e também autor de alguns dos melhores e mais emocionantes tangos da história deste país.

 

Tamanha é a parceria, a título de ilustração, que os dois morrem juntos nos trágicos eventos de 75 anos atrás na Colômbia quando o avião que saia de Cali com destino a Bogotá jamais alcança seu destino. Algumas pérolas de Le Pera demonstram claramente este “match made in heaven” : “veinte años no es nada”, “siempre se vuelve al primer amor”, “la verguenza de haber sido y el dolor de ya no ser”. Quando escuto parece que o chão no qual estão dançando o tango é meu coração. Segundo a matéria do Clarín  tamanha é a persona deixada por Gardel depois de sua partida naquela segunda-feira 24 de junho que até hoje quando alguém se sobressai na Argentina eles dizem: “éste sí que es Gardel”. Gardel tinha 44 anos quando cantou seu último tango.

Túmulo de Gardel em Chacaritas. Deixem-lhe um cigarro ele vai gostar

 Dizem que após do choque do trimotor que o levava com outro avião, que vitimou outras dezesseis pessoas, ao saber da notícia, muitas mulheres porteñas cometeram suicídio.  Muitas lendas surgiram após sua morte. Dizem que deformado por suas cicatrizes, vaidoso como era, seguia vivo em ostracismo, mas que era possível vê-lo cantando solitário pelas ruas da capital.

Hoje, é possível visitar o Museo Carlos Gardel, na casa que foi seu refugio comprada por o equivalente na época a 25 mil reais para su mamá na Rua Jean Jaures, em Abasto. Desde 1936, seu corpo está no cemitério de Chacarita, onde saudosos e turistas costumam deixar-lhe um cigarro acesso. Eu ainda não fui, prefiro encontrá-lo em uma madrugada fria pelas ruas da antiga cidade, deformado como o fantasma da ópera, cantando “El dia que me queiras”.

Para ler a matéria completa do jornal o Clárin clique aqui!

4 Respostas to “¿Gardel quien sois?”

  1. Gisele Teixeira 24 de junho de 2010 às 11:44 PM #

    Gabi, ano passado passeio o dia em Chacarita, acompanhando a peregrinacao de fas…foi uma experiencia…
    Beso

  2. conexaobuenosaires 25 de junho de 2010 às 12:02 AM #

    Nossa, a vida dele é um tango amiga!Eu vou acabar indo a chacaritas…

    beijos

  3. fabio nagel 25 de junho de 2010 às 1:36 PM #

    hoje, sexta, por acaso encontrei seu blog! …nos encontramos naquele dia do grafite. enviei – já há uns bons dias – algumas fotos que fiz da sua janela. vc recebeu???
    estava lendo seu texto sobre o gardel… agora vou andar pelos outros txts do seu blog! bjs

    • conexaobuenosaires 25 de junho de 2010 às 2:16 PM #

      Hola Fábio, claro que lembro. Sou leitora do seu blog. Nao recebi as fotos, mas roubei umas do seu blog!!!!! A Pasaje já ganhou mais grafites. Vc tem que vir fotografar. Espero que goste do blog. Estamos aceitando ajuda brasileira para a torcida da Copa, quem sabe um dia nao se juntam , vc e sua familia, as nossas festas.
      bjos

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: