Arquivo | abril, 2011

Murió Ernesto Sabato: Sobre Heróis e Tumbas

30 abr

Las primeras investigaciones revelaron que el antiguo Mirador que servía de dormitorio a Alejandra fue cerrado con llave desde dentro por la propia Alejandra. Luego (aunque, lógicamente, no se pueda precisar el lapso transcurrido) mató a su padre de cuatro balazos con una pistola calibre 32. Finalmente, echó nafta y prendió fuego.  Esta tragedia, que sacudió a Buenos Aires por el relieve de esa vieja familia argentina, pudo parecer al comienzo la consecuencia de un repentino ataque de locura. Pero ahora un nuevo elemento de juicio ha alterado ese primitivo esquema. Un extraño “Informe sobre ciegos”, que Fernando Vidal terminó de escribir la noche misma de su muerte, fue descubierto en el departamento que, con nombre supuesto, ocupaba en Villa Devoto. Es, de acuerdo con nuestras referencias, el manuscrito de un paranoico. Pero no obstante se dice que de él es posible inferir ciertas interpretaciones que echan luz sobre el crimen y hacen ceder la hipótesis del acto de locura ante una hipótesis más tenebrosa. Si esa inferencia es correcta, también se explicaría por qué Alejandra no se suicidó con una de las dos balas que restaban en la pistola, optando por quemarse viva.

Sabato, sobre herois e tumbas

Quando cheguei a Buenos Aires para visitar, como mais uma dos milhares de brasileiros que apinham a Calle Florida, há quase dez anos atrás, e não vislumbrava nem de longe uma vida aqui, me lancei da missão de gastar todo o dia dinheiro destinado a souvenires em livros.  E, numa das centenas de livrarias que compõem a Avenida Corrientes com suas bocas abertas para as calçadas, comprei meus primeiros livros argentinos. Eram então dois exemplares de um autor que ate então desconhecia. Um relato meio lúgubre com nome igualmente hermético e capa cinza chamado El Túnel e outro, também de nome mórbido, Sobre Heróis y Tumbas de Ernesto Sabato.   O que li sobre Argentina ajudaria a compor meu imaginário de um pais que, tanto tempo atrás, jamais considerei chamar de casa. Foram Borges, Sabato, Cortazar, Alan Pauls, Tomaz Eloy Martinez e alguns outros que iam formando o caráter nacional em minha cabeça. Tantos outros que ainda ignoro me ajudarão a formar um imaginário para quem já vive este cotidiano.

E foi com beleza e horror que li, e confesso que já não me lembro senão de forma inconsciente, as novelas de Sabato. Lembro que aludiam a uma Buenos Aires subterrânea e trágica, como um descenso ao inferno pessoal e da cidade. Bem diferente da capital do meu coração cujas portas se abrem ao meu passo.

 

Ernesto y su tunel...

Um homem de bairro, que será velado em sua comunidade de Santos Lugares, com forte inclinação aos direitos humanos, Sabato morre em um momento particular do ano quando a cidade respira a literatura na qual fez oficio, com a Feira do Livro reunindo milhares de pessoas na Plaza Itália todos os dias, a cidade nomeada capital do livro e autores conhecidos e desconhecidos ocupando os quartos de hotéis da cidade. E dizia: Eu escrevo, porque senão estaria morto, para procurar o sentimento da existência.  

Acabamos em Tango…

Anúncios

No voy en Tren

28 abr

Hoy dijo Hernan: No voy en tren!

Nos bons ares de Buenos Aires não se pode voar. Pelo menos não sem autorização. Isso frustrou hoje o vôo de Hernán Pitocco que quando aterrissou hoje numa pequena praça da 9 Julio com sua mochilinha motorizada  foi abordado por autoridades locais como uma ameaça ao espaço aéreo nacional. Incluso a rota de Cristina Kirchner. Pitocco, que chegou a dizer que não era nenhum loquinho, nem improvisado, é um conhecido parapentista  ( um dos melhores do mundo, segundo o artigo abaixo) e disse estar atrasado para uma entrevista. Optou por um meio de transporte mais rápido, já que o transito da cidade, e os transportes públicos da capital, estão cada vez mais impraticáveis.

É mais um dia na metrópole com seus gênios e loucos, muitas vezes os gênios se confundindo com os loucos e vice versa. São cenas que te enchem os olhos, às vezes te esvaziam o coração ou te inundam a alma de esperança, tudo de uma vez só na grande sopa de gente que é este Rincón do mundo. Um mendigo entra na rede de farmácias locais, Farmacity, toma um banho de perfume e deixa incólume o lugar. Um cego me indica que a rua Piedras é a próxima. Um menino leva sua cobra Píton para tomar sol nas veredas de Palermo.

 

Eu acredito no louco e gênio Pitocco que disse hoje No Voy en Tren e deixou a caótica cidade pequena para vê-la de cima. Não pegou o vagão cheio, desses que você acha que vai acidentalmente beijar a pessoa que está a sua frente por pura falta de espaço para a sua cara, não pegou cortes por causa da manifestação de professores na Corrientes, não viu o taxímetro disparar enquanto a Santa Fe movia-se dois centímetros por hora. Tem dias, na cidade, em que voar é preciso, viver não.

QUEM É HERNAN PITOCCO…

La Ciudad y Los Libros…

16 abr

A edicao de hoje da revista semanal de cultura do Clarin estah um must. Toda dedicada ao tema livros, um encarte sobre Mario Vargas Llosa, uma geral sobre a producao literaria da cidade e um preludio para a Feira do Livro que se aproxima. Dica do dia para loucos por livros como eu pela bagatela de 4 pesitos, corram as bancas! Ou Apostem na leitura do site AQUI!!!!!

Corram as bancas!

ONDA VAGA: Fuerte e Caliente!

16 abr

Onda Vaga, la Buena Onda...

Buenos Aires estah no roteiro internacional das grandes metrópoles do mundo. Mas, vivendo por Palermo, e outros bairros centricos, ainda tenho a sensação as vezes que há um diminuto mundo como aquele que acontece como nas pequenas cidades, com seus músicos próprios, pequenas celebridades que transitam pelas ruas junto aos outros transeuntes, mitos e verdades, vizinhos, conhecidos e desconhecidos numa mescla de província e metrópole como em poucos lugares do mundo. As vezes, me sinto vivendo em uma maquete.

Forte e quente!

Minha Buenos Aires, naquela em que convivem Liniers, Kevin Johansen, também Cristina Kirshner e Mauricio Macri, celebridades nacionais e internacionais, aonde vai Ricardo Darin a Parrilla , eh tão plausível e palpável como aquele Rio de Janeiro onde se divide um coco na orla com Chico Buarque. Buenos Aires e seus heróis não são inatingíveis, pelo contrario, o desenlace das estórias acontecem pelas ruas de Palermo Soho, aquelas com eterna cara de outono, onde músicos sobem ao palco ovacionados e voltam a casa sozinhos com seus violões nas costas caminhando languidamente sob as veredas de arvores de Palermo Viejo. De certa maneira a cidade nos encolhe e aumenta de acordo com seus caprichos e não importa o que você fez durante a noite, no final você é mais um voltando meio embriagado em busca da Santa Fe, a avenida que sempre te leva a casa.Venho depois do show do Onda Vaga, sentindo a cidade como um lugar acolhedor e meu, depois de um difícil recomeço, pensando em apresentar no blog mais uma celebridade local. Fazendo as pazes com Buenos Aires, minha recreacao romantica com requintes passionais.

Lembrei-me da banda little darling da minha cidade, Moveis Coloniais de Acaju:

O grupo Onda Vaga e mais um das little darlings da Capital Argentina. A banda local que vai ganhando  mundo, mas que segue sendo um grupo querido pelos jovens da capital, daqueles que para seus shows juntam aficionados locais e curiosos que descobrem mais uma surpresa boa da capital. Com um som Manu Chao encontra a banda candanga Moveis Coloniais de Acaju, uma noite de fogueira encontra microfones, um grupo de amigos encontram um palco.

Como num churrasco de amigos...

 Um Show do Grupo Onda Vaga, faz de uma visita a Buenos Aires uma jornada ao seu coração provincial. Aquele em que bons amigos se juntam para comer um asado ( bom e velho churrasco) e fazer um som descompromissado. No final, são apenas bons meninos curtindo fazer um som juntos. O resultado é quase sempre um show alegre e bem humorado, como uma festa de torcidas, com gente cantando em coro, pulando e confraternizando como em um almoço de domingo.  Por aqui, eles ja sao pequenas celebridades, levando sua pequena legiao (boa parte feminina) de fas a loucura. Nao vou a nombrar ninguem, mas tenho amigas apaixonadas pelos “pibes” da banda, dessas que passam o show gritando “Hacerme un hijo!!!!!!!” ( me faca um filho!!!). Realmente, a energia eh tao boa que da vontade de levar os meninos para conhecer mamae.!!!Onda Vaga eh, como dizemos por aqui, Buena Onda Total!

Fica a dica do site dos meninos para os próximos SHOWS AQUI!

A recomendação para um link e um pequeno documentário descompromissado como a banda, eh a melhor forma de conhecer o trabalho deles sem ir a um Show. VEJA AQUI!

Mais uns para o xilindró…

15 abr

A Argentina condenou a prisão perpetua por homicídio e crimes contra os direitos humanos alguns dos militares que fizeram parte de uma das mais cruéis ditaduras do continente. Ate agora duzentas 200 pessoas foram condenadas por suas ações durante o governo tirano. Deixo AQUI a matéria do jornal de esquerda Pagina 12, já que na edição eletrônica do Clarin não encontrei nada e o habitualmente moderadoLa Nacion apenas reproduziu uma nota duvidosa da BBC Mundo. Sigamos o bom exemplo argentino!Tenhamos memória!

Para o Xilindro capitao!

As piores e melhores exportacoes…

15 abr

Ha algum tempo virou moda por aqui a chatissima cancao LLora, me llama, ou Chama , me liga da dupla sertachatos Joao Bosco e Vinicius, mais um franchising de duplas insuportaveis do ritmo. Um cover de uma musica que  ja eh enfadonha em portugues e que em espanhol e com ritmos de cumbia fica pior ainda. Toca nos taxis, supermercados, nos radinhos espalhados pela cidade somando a vergonha brasileira que ja sentimos quando certos pagodes chegam por aqui. A versao cumbiera eh do grupo mexicano PLAY.

A boa noticia eh que os Argentinos nao sao tao suceptiveis a nossa exportacao de porcarias. Eles gostam de bossa, MPB, mas as vezes deixam passar alguma cancao chiclete, algum axe daqueles que nos fazem esconder a Brasilidade.  Mas, classicos brasileiros ganham versoes superbacanas como o cover da musica do Cazuza O tempo Nao Para que a Banda Bersuit fez ( desconto para o sotaque alemao do vocalista quando arrisca um portuguesinho!!!) . Nao se assuste se for a uma festinha argentina que termine em Ilarie  da Xuxa, eh o momento bebedeira , algo parecido com aquele momento Claudinho e Bochega, Fagner Voce eh luz, raio estrela e luar que acontece quando o alcool ja substituiu o teu bom gosto e discernimento musical. Mas, de uma maneira geral, ha esperanca para os ouvidos argentinos e para o meu…

La Onda Sana

14 abr
 

Tiendas Naturales: meu preferido

Eu sei que quem vem a Buenos Aires vem na onda mais carnívora que Hannibal Lector, mas, atenção, Buenos Aires living pode causar o entupimento de suas artérias e alargamento de suas medidas. Não se pode viver todos os dias comendo bifes com mais de um palmo de altura que, como ilhas, estão cercados de gordura para todos os lados e acompanhados de um Aconcagua de batata frita, nem milanesas do tamanho de um jogo americano. Não me levem a mal, quem me conhece sabe que sou a coisa mais distante que se tem noticia de uma vida saudável regada à alface e tofu. Sou mais junky que a Re Bordosa, tão sana quanto Keith Richards. Mas dizer que portenhos vivem exclusivamente de parrillas é o mesmo que contar que baianos comem moquecas todos os dias.

Nao da para viver de parrilla…

É certo que o cheiro característico da cidade é o mesmo daquele seu churrasquinho de domingo e que não há nada mais acolhedor que um choripan, mas, no dia a dia, me vejo cada vez mais em busca de restaurantes que tenham sucos de frutas em seus menus, coisa que não é tão comum assim em Buenos Aires. Nunca me imaginei salivando ao pensar em um peito de frango grelhado acompanhado de batatas ao forno e suco de laranja. Mas, esse desejo é cada vez mais freqüente. Outro dia quase abracei um garçom que me ofereceu uma salada de frutas de sobremesa. Comi com os olhos cheios d água, pensando que era uma ironia que, em uma cidade cujas confeitarias são reluzentes que joalherias, sentiria tanta falta de uma salada de frutas. 

Opcoes para nao entupir as arterias...

 

Acho inútil julgar os hábitos culinários e gastronômicos de qualquer cultura. Esse, é claro, tópico de muitas discussões entre Argentinos e Brasileiros por aqui. Brasileiros podem achar a comida dos hermanos pesada, mas imagine o estrago que uma feijoada ou qualquer prato com azeite de dendê pode ocasionar no delicado estomago ariano argentino. Embora a dieta baseada em opções quase sempre carnívoras, massas, doces e folheados possa parecer agressiva ao paladar brasileiro,  não se assuste se um argentino te enumerar uma serie de itens da culinária cotidiana brasileira que entrariam facialmente para o ranking das 10 top comidas mais letais da historia da humanidade, troféu Fura Bucho mesmo. E eu devo confessar que depois de esbravejar contra as medialunas aqui no blog agora sou candidata ao Medialunas rehab, pois não posso para de come-las. Meu pânico aumentou quando descobri uma loja das Medialunas Del Abuelo aqui na esquina. Apenas as melhores medialunas da cidade. Tive que morder a língua.

Se o seu negocio eh comer bem, compre um!

Uma coisa eh certa: nos possuímos mais diversidade alimentar que eles. Com uma agricultura um pouco mais perene, dimensões territoriais mais reduzidas se comparadas as nossas e vocação geográfica para a pecuária a Argentina não eh o éden tropical ao qual estamos acostumados. Faltam um montão de frutas, verduras e cereais que fazem parte de nosso menu de todos os dias no Brasil.  Ausência notória também são os self-services que não são comuns nessa parte do continente. Felizmente, dado ao status quo de meca gastronômica e tendências cosmopolitas, Buenos Aires segue sendo um ótimo lugar para comer.E foi tentando fugir dos prazeres da carne, bifes de brontossauro e acompanhamentos fritos que eu descobri o fantástico mundo das pequenas delicatessens naturais. Desde então nunca mais comi um bife de chorizo caros leitores. E me sinto obrigada a dividir meus achados.

Vamos la:

 
 

Nao vou mentir, viciei.

Tiendas Naturales:

Depois que me mudei para este pedacinho de Palermo entre o Parque Las Heras e Av. Santa Fé, ando explorando, with a little help of my friends, a região que eu chamo de Baixo Las Heras, uma zona ótima cheia de cafés e restaurantes e a fina bossa portenha. O Tienda Natural ( Cabello 3401) segue direitinho a bíblia dos restaurantes meio bistrô meio naturebas de Baires. A diferença é que a comida é mesmo boa. O sanduíche de peito de frango, brie e chutney de maçã é simplesmente divino. Para quem curte uma salada transada este é o lugar. E a boa noticia é que os preços são pra la de justos e o atendimento amigável. Alias, para Buenos Aires o atendimento de la é mais que amigável. Outro dia ganhei de uma simpática garçonete uns bolinhos de cenoura para comer rezando. Mas, embora, as sobremesas façam jus a boa comida do lugar, vale a pena caminhar uma quadra ate um café super little darling chamado Nucha ( Salguero 2587), cujos os docinhos parecem pequenas jóias e eh possível tomar um café ao som de um jazzinho ambiente e ver a chuvinha fina cair pela janela.

http://www.tiendas-naturales.com.ar/

http://www.nuchacafe.com/

Natural Deli: Eu gosto da sucursal na rua Laprida 1672, um local super agradável, na auspiciosa vizinhança de Aguero, sob veredas de arvores e com um pequeno armazen de produtos orgânicos. Perfeito para um almocinho light ou mesmo um café orgânico. Eu simplesmente adoro a torta integral de espinafre e cogumelo. Os menus de almoço e jantar também são qualquer nota, outro dia comi um filet mignon com purê rústico de batatas e almendoas que estava levinho juro e dos deuses!

Natural Deli, uma excelente opcao. Vedette de Aguero!

 http://www.natural-deli.com/index.php?seccion_generica_id=450

Spring: Com uma proposta um pouco diferente das delis naturais, o Spring ( Bulness 2577)  tem uma enorme vantagem para quem sonha com abundancia e variedade: eh self service ou, como chamam por aqui, tenedor libre,  para comer a vontade. Vegetariano e asiático, barato e ambiente menos cool que os outros o restaurante quebra um galho pois eh super barato e gostoso. Mas, não espere charme, porque não esta no cardápio. No entanto, a comida, principalmente para quem é vegetariano, é bem interessante. Eu gosto!

http://www.springrestaurante.com.ar/

Tea Connection: Vai na mesma linha que as outras delis orgânicas, mas já virou um franchising. Para mim, que desconheço a historia desse tipo de estabelecimentos em Buenos Aires, é o pai de toda essa onda deli natural. Mas, embora super gostoso e possivelmente o mais arrumadinho de todos, não eh meu preferido. Acho o cardápio conciso demais. Mas, não se iluda, costuma ser a melhor opção de almoço da zona. Tem seis sucursais e águas saborizadas que são incríveis. Não é barato, também não é absurdo,  mas vale a pena.

http://www.teaconnection.com.ar/

Origen: Já parei para tomar algo, mas ainda não comi La. Mas é em San Telmo numa região bem turística e bacana, perto de uma loja que eu adoro, a Cualquer verdura, da melhor torta de limão de Buenos Aires ( Del Limonero) e de um restaurante ótimo, o Habib. Super recomendados por amigos.

Humberto 1º 599

http://www.guiaoleo.com.ar/restaurantes/Origen-2432

Deixo AQUIIII! tambem o link para um post que fiz sobre meus caminhos zen e restaurantes vegetarianos que eu gosto na cidade.

 E recomendo que comprem o guia da divinissima gourmet Narda Lepes, uma biblia gastronomica!