Arquivo | julho, 2011

No Me Ama

30 jul

Buenos Aires on Ice

27 jul

Tai o tipico programa de indio que eu adoro fazer. O governo inaugurou hoje uma super pista de patinacao no gelo pertinho da minha casa, semi Recoleta, semi Palermo, em frente da ja incrivel Biblioteca Nacional ( Plaza Uruguay, Av. Libertador 1650). A Semi Novaiorquina pista fica todos os dias de 9h a 21hrs (com uma pausa de duas horas a partir do meio dia).

Eu adoro um programa de indio on ice!

Nao sei como devem proceder os extrangeiros, mas no site oficial do governo local pede que as pessoas levem a identidade para entrar na pista. Alem disso recomendam luvas, blusa de manga e calcas.

 Holiday on ice total!

 Confira AQUÍ!

 

Cinema Paradiso, um tango

19 jul

Qualquer caso de amor tem seus altos e baixos, periodos de paixao, calmaria e ate de certo desdem. Minha relacao com Buenos Aires nao eh diferente. Ja nao somos a eletrizante paixao semi juvenil do ano passado, mas tambem ainda nao viramos um consolidado amor senil.

Cinema paradiso em ritmo de tango, eh muito para um coracao soh!

As vezes eh preciso um menage a trois para apimentar a relacao.

Eh assim que quando vem uma visita de fora – comecando a ver a cidade com os olhos de primeira vez – que eu vou, pouco a pouco, repensando minha cidade. Com o tango, por exemplo, acontece o mesmo. Se no comeco meu coracao parava com a primeira nota de um acordeon, hoje posso dizer que ja nao capto mais aquele violino melancolico lambendo as calcadas da Capital. Nao faco aulas, nao escuto Gardel e morro de preguica de ir a um tango. Continuo, no entando, moderadamente apaixonada pelo ritmo. Mas para sentir paixao mesmo eh preciso sair da rotina. Foi assim que escutei ontem, durante uma daquelas excursoes ao Youtube que requerem algumas tacas de vinho e horas insonia, algo que voltou a fazer latir meu coracao em ritmo de milonga. Talvez seja algo pessoal e intransferivel, mas um violino eh um violino. Eh uma das musicas da trilha sonora de um filme que marcou minha vida – tenho certeza de que nao fui a unica – Cinema Paradiso executada pelo quarteto Esteban Morgado.

Tanto o filme como a musica dispensam palavras. Basta dizer que existem coisas que sao lindas como sao. Lindas e, para mim, com som de infancia e aquela mordida nostalgica que o tango da na sua alma que eh tao dificil de explicar…

Coisa de Louco

15 jul

Sou uma jornalista meio “trucha” algo como torpe como diríamos por aqui. Detesto notícia ruim. Odeio escrever sobre naufrágios, acidentes aéreos, incêndios, guerras, assassinatos, corrupção e outras mazelas humanas. Mas, confesso que claro que adoro redatar a noticia do dia. Se for uma tragédia, escrevo.

Vamos comecar o Poli jornalismo, mais noticias boas, menos tragedia!

Adoraria dar um reset nessa regra jornalística.

 

Marta e Oscar: loucos um pelo outro!

Mas me vejo cada vez mais como Poliana jornalista. Curto mesmo escrever sobre direitos humanos, estórias de amor, ecologia e tudo mais que deu certo. Nao sei se isso me faz uma boa jornalista. Acho que muito colegas me desclassificariam. Outro dia li numa plaquinha que o jornalista tem que ser odiado. Acho que jamais seria este profissional. Tem lá sua função, mas prefiro relegar isso a qualquer outra pessoa que não seja tão flower power como eu. Iria detestar criar uma inimizade com quem quer que seja. Acho que como repórter investigativa não iria muito longe. Ficaria no caminho observando passarinhos, talvez escrevendo sobre tribos remotas…

Cada louco com sua loucura.

Por isso, mesmo não emplacando aqui a redação essa estória, fiquei vendo borboletas com uma nota que li ontem. Marta e Oscar, dois pacientes quase vitalícios de hospitais psiquiátricos da província de Buenos Aires conseguiram se casar ontem em La Plata, depois de mais de uma década de interdição. Foi necessária uma alteração em uma lei mas os dois conseguiram! Afinal de contas, eles são loucos um pelo outro!

A imprensa vez tão pouco caso da estória que não se preocupou nem em citar os sobrenomes dos recém casados mostrando que somos mesmo como vampiros alimentando-nos exclusivamente de sangue. Uma estória bacana como esta pode precendir de release oficial sobre as leis de saúde mental na província ou opinião do Ministro da saúde querendo pagar de gatinho. Sinceramente, alguém fale com os noivos!

A carinha dos dois durante a cerimonia, principalmente da noiva, eh impagável! Coisa mais sublime!

Mas, juntando aqui e acolá, descobri que Marta esta internada em uma instituição psiquiátrica desde 1974 e que conheceu o salteño Oscar em 2000, quando se apaixonaram. Depois do casório civil ainda teve festinha na Casa de Pre Alta, onde os dois são pacientes. Eh o tipo de estoria que adoraria esta publicando, não vou deixar passar. Como diria Jo Soares, chose de loc!

Desabafa Fito Paez!

12 jul

 

Desafbafa Fito, DESABAFA!

Este fim de semana foram as urnas porteños para decidir o novo prefeito da cidade. O atual governante Mauricio Macri, cuja cara de charlatao nao consigo superar, conseguiu 47% dos votos. Nao foi o suficiente para declara-lo vencedor no primeiro turno, mas deixa poucas surpresas para quando eleitores voltem as urnas no dia 31 de julho. O candidato de Cristina Kirchner, Daniel Filmus, nao parece ter a menor chance contra o magnata, multimilionario e “ la garantia soy yo” de plantao, Mauricio Macri, adora fazer dancinhas comemorativas ridiculas e imita o Freddy Mercury como ninguem, com tanto afinco que uma vez engoliu o bigode falso causando uma mini emergencia em uma festa. Sinceramente, uma pena! Na corrida eleitoral, que pra mim foi curtissima, estavam ainda personagens bacanerrimos como o cineasta ( salve salve) Pino Solanas.

Te re banco Fito!

 A vitoria do Macri deixou um ar meio Darth Vedderiano de “ o mal venceu” entre muitos artistas e intelectuais daqui. E vou confessar, achei un bajón ( depre) como dizemos em Argentines. Quem resolveu nao ficar calado foi o cantor, my little darling, Fito Paez QUE AFIRMOU TER NOJO de metade da cidade, a metade que votou no Macri. Reproduzo aqui a carta e “Te vengo a Ofrecer mi Corazón”. Te re banco Fito!

Adendo: Se voce nao conhece Fito te falta algo para sua Argentina, excursao ao Youtube ja!

 

Nunca Buenos Aires estuvo menos misteriosa que hoy. Nunca estuvo más lejos de ser esa ciudad deseada por todos. Hoy hecha un estropajo, convertida en una feria de globos que vende libros igual que hamburguesas, la mitad de sus habitantes vuelve a celebrar su fiesta de pequeñas conveniencias. A la mitad de los porteños le gusta tener el bolsillo lleno, a costa de qué, no importa. A la mitad de los porteños le encanta aparentar más que ser. No porque no puedan. Es que no quieren ser. Y lo que esa mitad está siendo o en lo que se está transformando, cada vez con más vehemencia desde hace unas décadas, repugna. Hablo por la aplastante mayoría macrista que se impuso con el límpido voto republicano, que hoy probablemente se esconda bajo algún disfraz progresista, como lo hicieron los que “no votaron a Menem la segunda vez”, por la vergüenza que implica saberse mezquinos.

 

Aquí la mitad de los porteños prefiere seguir intentando resolver el mundo desde las mesas de los bares, los taxis, atontándose cada vez más con profetas del vacío disfrazados de entretenedores familiares televisivos porque “a la gente le gusta divertirse”, asistir a cualquier evento público a cambio de aparecer en una fotografía en revistas de ¿moda?, sentirse molesto ante cualquier idea ligada a los derechos humanos, casi como si se hablara de “lo que no se puede nombrar” o pasar el día tuiteando estupideces que no le interesan a nadie. Mirar para otro lado si es necesario y afecta los intereses morales y económicos del jefe de la tribu y siempre, siempre hacer caso a lo que mandan Dios y las buenas costumbres.

 

Da asco la mitad de Buenos Aires. Hace tiempo que lo vengo sintiendo. Es difícil de diagnosticarse algo tan pesado. Pero por el momento no cabe otra. Dícese así: “Repulsión por la mitad de una ciudad que supo ser maravillosa con gente maravillosa”, “efecto de decepción profunda ante la necedad general de una ciudad que supo ser modelo de casa y vanguardia en el mundo entero”, “acceso de risa histérica que aniquila el humor y conduce a la sicosis”, “efecto manicomio”. Siento que el cuerpo celeste de la ciudad se retuerce en arcadas al ver a toda esta jauría de ineptos e incapaces llevar por sus calles una corona de oro, que hoy les corresponde por el voto popular pero que no está hecha a su medida.

 

No quiero eufemismos.

 

Buenos Aires quiere un gobierno de derechas. Pero de derechas con paperas. Simplones escondiéndose detrás de la máscara siniestra de las fuerzas ocultas inmanentes de la Argentina, que no van a entregar tan fácilmente lo que siempre tuvieron: las riendas del dolor, la ignorancia y la hipocresía de este país. Gente con ideas para pocos. Gente egoísta. Gente sin swing. Eso es lo que la mitad de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires quiere para sí misma.

 

Fito Paez

Vecino de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires”

Argentina crime e castigo, o bafo completo

11 jul

Nem as velhinhas de mayo se safaram do bafo! Hebe Bonafinde, poderosa velhinha no olho do furacao!

Capitulo I – Os Atridas:

Um senhor parricida que enganava velhinhas cujos filhos foram assassinados durante a ditadura. Uma mulher com cinco balas alojadas no crânio cuja família diz ter falecido em um acidente domestico. Uma estrela de novelas gravida de sete meses traindo seu marido com o ex ministro de economia em pleno dia em uma rua de Palermo. Uma jovem assassinada aparentemente por sua colega de apartamento com misteriosas tendências lésbicas. Um chefe de torcida sicário que eliminava sem remorsos seus desafetos. Nem mesmo um Ernesto Sabato poderia ter uma trama tao sordida. Cinzas vulcânicas encobrindo os céus do pais, frio polar e um dos principais times de futebol do pais rebaixado a segunda divisão. A televisão argentina, se espremida, goteja sangue e lágrimas e, desde o ultimo mês, a Argentina eh mesmo o tango que a fez famosa pelo mundo.

Como na Roma antigua: Argentina com erupcoes, parricidios, intrigas, assassinatos, pao e circo!

Pode ser que, passando todo o dia enfurnada numa redação, me de a impressão de que o pais se assemelha, neste momento, a uma novela da Agatha Christe. Mas, realmente, a Argentina estah um bafao so!

CAPITULO II – La Malparida:

Tudo começou com o bafao televisionado da atriz da novela sucesso La Malparida, Juanita Viale, casada com um famoso ator chileno e gravida de sete meses, neta de Mirta Legrand, uma espécie de Fernanda Montenegro argentina, flagrada aos beijos com o ex ministro da economia, um gatinho que atende pelo nome de Martin Lousteau. Vamos centextualizar? Tipo pegar a protagonista da novela das oito, gravida de sete meses do sei la Caua Raymond, aos beijos com o Guido Mantega em frente ao Gula Gula no Leblon!

O bafao foi tão grande e a pressão tão intensa que a avo entrou em depressão ao vivo na televisão e a Juanita deu a luz a um bebe morto. Um bafao digno de tragédia grega e televisionado ao extremo.

Eu sei que eh horrivel, mas La Malparida malparió. Achei uma maldade!

Capitulo III – Paricida e ladrao de velhinhas, quase uma piada.

Depois veio o inesperado: um escândalo envolvendo as mães da Praga de Maio, um símbolo de decência e dignidade, as simpáticas e corajosas senhoras cuja dignidade levavam ao famoso marco da cidade em busca de justiça ate que Nestor Kirchner atendeu suas preces anulando a lei que dava imunidade aos criminosos militares da sanguinária ditadura argentina.

Na foto o escroque Shoklender. Vamos combinar? Ate que a Argentina produz uns viloes interessantes, vide Menem, Ricardo Fort e Mauricio Macri...

Desde então, não as vemos mais todos os sábados no centro da Capital em seu clamor por justiça e sim como uma organização social fortíssima, dona de metade dos espaços que circundam o Congresso argentino, com programas sociais que incluem ate uma Universidade. São poderosseeeerrimas por aqui e também respeitadissimas. Ligadissimas a Cristina Kirchner e inimigas declaradas do grupo de comunicação Clarin – cuja dona aparentemente tem dois filhos usurpados de desaparecidos da ditadura e negavam-se ate pouquíssimo tempo atrás a doar sangue para acabar com o mistério. Aparentemente enganadas Sergio Shocklender, um senhor que era considerado o braço direito da presidente da instituição. A poderosa senhora que se esconde por detrás de um lenço branco, Hebe Bonafinde, que primeiro o defendeu em rede nacional, com os palavrões que lhe são peculiares e o afinco de uma mãe. Posteriormente, se disse enganada e por fim agora esbraveja em rede nacional para que Sergio Shokelender, o “estafador”, seja condenado. O caso não eh estranho aos brasileiros, acostumados a escândalos de corrupção, começam a aparecer o aviãozinho, a empreteirinha, os apartamentinhos, os barquinhos, tudo as custas das casas populares que as mamas de maio dão aos pobres.

A nao...as mamaes de maio nao....

O passado do camarada também começou a emergir. Nao contente em ser apenas escroque, corrupto e ladrão, eh também paricida. Ele e o irmão mataram os pais a golpes de barras de ferro. Existem relatos de abuso sexual por parte da mãe em um enredo que mistura detalhes sórdidos que renderiam um bom filme Bertolucci-Hirtchcook style. Vale a pena ler a cronica dos acontecimentos AQUIII!!!! Para tango eh gráfico demais!

Vamo combinar? Agatha Christie iria adoooorar a Argentina!

Capitulo IV – Nao foi o mordomo

Outro caso em juízo eh o da família Belsunce. Daria uma bela novela de suspense. Alias, digna de uma obra de

Caso Belsunce: "acidente domestico" com mais envolvidos que gente na Argentina!

Agatha Christie, mas aqui não seria o mordomo o culpado e nem o detective Poirot poderia acabar com o mistério. A família parece estar toda envolvida no suposto “acidente domestico” da sociologa em 2002. María Marta haveria morrido em um acidente domestico segundo a família no banheiro da mansão em que vivia num Country num bairro de classe media alta da capital. Ate ai tudo bem, não fossem as seis balas alojadas em seu crânio que a família tentou disfarçar e que o medico que contratou “falhou” em ver. O mais surpreendente da estória eh que o crime parece ter mais cúmplices que gente na Argentina, tem irmã, irmão, papagaio, massagista, vigia, medico, todo mundo no balaio dos que encobriram o suposto autor do crime, o marido da vitima. Para quem tiver essa curiosidade mórbida que, vamos confessar, ataca quase todo mundo vale a pena conferir a comunidade do Facebook para o caso AQUI!

Capitulo VI – Quem tem amigo tem tudo

Um crime escabroso que tem dominado as manchetes daqui eh o “Caso Solange.” Eu juro que não estou juntando tudo no mesmo balaio, são todos casos abertos, com julgamento acontecendo neste momento.

Lucila: Acusada de matar a coleguinha em um rompante lesbo-invejoso!

Confesso, que a curisiosidade morbida que reside em algum lugar do meu “ nao tem mais o que fazer” do meu ser adora acompanhar de perto o bafao todo.

Melhores amigas, mas terminou mal!

Aparentemente uma amiguinha matou outra – Lucila Frend e Solange viviam juntas – com não sei quantas dezenas de punhaladas (consideram que pode haver sido um garfo) em um ato de ódio. O toque de insólito eh dado por uma perita que disse que o crime tem requintes passionais levantando duvidas obre a sexualidade da coleguinha Lucila. O caso eh cheiro de contradições. Pessoalmente, Lucila parece metida nessa ate o pescoço. Mas o interessante eh como o caso mexe com certos preconceitos da sociedade Argentina. Muito se fala que haviam pedreiros trabalhando em obras perto. Ate agora nenhuma só evidencia de que seja o caso de um estranho entrando na casa. Mas, o imaginário argentino adora pensar, não vamos negar, que haviam “bolivianos” ou “peruanos” de obreiros para explicar algo que eh demasiado complexo para o entendimento publico. Atencao, nem todo Argentino eh racista assim como em toda brasileira eh bunda, como diria Rita Lee. Mas, esta deficiência de caráter esta presente, como em muitas sociedades, onde há uma entrada substancial de imigrantes. Mas, a verdade eh que Lucila esta cada vez mais complicada.

Um dia negro para o esporte argentino, assassinos de arquibancada!

Capitulo VII: Chefe de torcida e sicário

Futebol na Argentina, como no Brasil, eh assunto serissimo. Mas aqui, as torcidas são mais organizadas. Organizadas inclusive no crime. Os “Barras” ou “barrabravas”, verdadeiros hooligans argentinos, são um fenômeno social particular por aqui. Nao são necessariamente violentas, mas sim podem tornar-se.

Alan Schlenker, playboy, chefe de torcida e mandante de assassinato nas horas vagas...

 Os irmaos Alan Schlenker e William Schlenker entraram para historia futebolística do país como suposto autores do primeiro crime encomendado de torcidas organizadas no País. Parte do núcleo duro de um dos maiores clubs argentinos, o River Plate, os Shlenker são acusados de diversos crimes, o mais celebre o assassinato por encomenda de Gonzalo Acro, um carismático líder de torcida, do próprio time abrindo discussão nacional sobre a violência entre os barrabravas. Para quem saber mais sobre os bad boys do River clique AQUI! O julgamento ta no ar!

O impensavel: River cai, Boca, o rival, faz a festa!

CAPITULO VIII: Tragedia Greco-romana-argentina-a-vaca-foi-pro-brejo-nacional!

Falando em violência e futebol, nada poderia ter preparado o pais para o que aconteceu num domingo no estádio do River, em Nuñez, Buenos Aires, quando um time considerado inexpressivo se comparado ao River Plate ( o Belgrano de Cordoba) levou o time a segunda divisão do futebol argentino e a humilhacao de milhões de torcedores que há semanas ja choravam de medo e indignação pela situação do clube.

Eu nao queria estar na pele dos guardinhas...cenario de guerra!

Ha semanas, via meus colegas discutindo o assunto ( eu sempre quietinha, um Brasileiro aprende a não manifesta’-se por questões futebolísticas na Argentina). Segunda-feira, depois do jogo de domingo, o clima era de velório, nas ruas, no metro, no ônibus e na redação. Aqui no Ambito, grupo para qual trabalho, eu entrei na ponta do pé e me sentei queitinha porque o povo não tava pra conversa. Se o clima o dia seguinte não era bacana, o cenário nos momentos que se seguiram a derrota de River e descenso histórico a série B foram de guerra. O quebra quebra foi geral. Sobrou ate pro guarda Belo. Nao teve um só guardinha que não tenha tomado pelo menos uma pedrada. Uma so loja na zona da Av. Libertador de Nuñez que nao tido seu vidro estilhaçado. Barricadas de fogo, mangueiras de alta pressão na torcida ( atencao frio de pouquíssimos graus), pancadaria, choro e destruição. Alias, a comoção foi tanta que o jogo terminou antes de cumprir 45 minutos do segundo tempo e com vários minutos de sobra. Mas, por ai já estava claro que o bicho ia pegar.

River a la B: eH GUERRA CIVIL!

Os torcedores já começavam a se abalancar sobre os alambrados, choro, incredulidade, desespero e ira tomaram conta da torcida vermelha e branca do River, enquanto a massa azul celeste e branco do Belgrano se sacudia em êxtase. Logo depois veio a tensão logística de como retirar –  sem trazer abaixo o estádio – os torcedores.

Torcedores do River se desesperaram....

Primeiro os do River que, a este ponto já estavam depenando o estádio praticamente com as unhas e que gritavam ao campo vazio depois que os jogadores foram retirados debaixo de uma chuva de paus e pedras, ilesos por milagre. Milagre daqueles que faz parecer a abertura do Mar Vermelho por Moisés um mero golpe de sorte. Depois, como retirar os torcedores do time vitorioso?

Goleiro do River chora o leite derramado...

Como deixar que aqueles enlouquecidos de jubilo se encontrem com os humilhados de River? Resposta: garantindo que de NENHUMA MANEIRA eles se encontrem! Os torcedores do River SAEM ANTES e, três horas depois, depois de não sobrar pedra sobre pedra para contar estória saem os “piratas” os torcedores do Belgrano.

Torcida do Belgrano, a tarefa quase impossivel de sair do estadio sem serem trucidados!

Para não dizer que estou exagerando, deixo aqui o IMPRESSIONANTE vídeo de um torcedor assistindo ao jogo que levou o River ( o equivalente de um dos maiores times argentinos, tipo um Flamengo, um Vasco…talvez mais) em seu ataque de fúria que causou frisson aqui na redação. Eh longo mas eh incrível! IMPERDIVEL, VEJAM!

Vou confessar: cada dia me apaixono mais por este pais. Por debaixo do aparente laconismo reside toda a loucura e paixão peculiar a este quinhão de mundo. Sou jornalista porque adoro uma confusão. Como diríamos no Brasil: A-do-ro um bafao! Estou no lugar certo.

Viva Peron, Viva Peron!

1 jul

Hoje faz exatos 37 anos da morte do General Juan Domingo Peron, certamente uma das maiores figures historicas nacionais. Precisaria de outro post para explicar o que o movimento criado por Peron, o Peronismo, significa por aqui. Existem muitas formas bacanas de se informar sobre a vida do general. Uma boa opcao eh ler o livro do gigante Tomas Eloy Martinez, La Novela de Peron.

Eu hoje deixo aqui o texto dos meus companheiros de trabalho dojornal Ambito Financiero AQUIIIIII!!!!o!, super redondo. Eu trabalhando aqui sou suspeita eu sei. A marcha peronista e a dica para que visitem o bar Peronista Peron Peron (Perón Perón Resto Bar – Carranza 2225 – Tel.: 4777-6194 terca a Domingo, de 10 hs ate que va embora o ultimo companheiro) uma verdadeira viagem no tempo. Imperdivel. E, se o frio deixar, um belo almoco no Museu da Evita.

 Viva Perrrrrrrrrrooooooooooooooooooooooooooooooooooooon!