Tag Archives: Plaza Itália

Feira do Livro de Buenos Aires: Prazeres mundanos e intelectuais

24 abr

É sempre especial estar em Buenos Aires na época da Feria Del Libro. Tenho memórias antológicas de ocasiões especiais passadas a sombra de La Rural, na Plaza Itália, como o show do Caetano Veloso a dois anos atrás na abertura da Feira. Caetano lotou a Av. Sarmiento em um dos meus momentos mágicos de minha estádia por aqui e fazendo portenhos cantarem como nunca.

A Feira do Livro em Buenos Aires é definitivamente um dos eventos mais esperados do ano no meu calendário.

Domingo vivi mais um grande momento antológico durante minha primeira visita a feira. Eu e outras milhares de pessoas assistimos a palestra de uma das vozes mais lúcidas do século durante mais de uma hora e meia de puro, puro, puro deleite intelectual. Não vou negar que um dos meus momentos históricos favoritos dos últimos anos é a entrega do livro A veias Abertas da América Latina por parte do presidente Venezuelano Hugo Chávez ao yankee Barack Obama.

O rock star das esquerdas Eduardo Galeano é um dos meus escritores favoritos e pelo visto das massas portenhas também.

Ontem, milhares de pessoas aguentaram a primeira onda de frio outonal e filas kilometricas pela chance de ouvir por um par de horinhas as palavras de um homem que acredita, como eu e tantos outros eternamente indignados, que o mundo está de pernas pro ar.

Valeu cada minuto, mestre Galeano.

Difícil definir quem ouvir, o que comprar, quem ver , como o festival de cinema de Buenos Aires, o Bafici, você pode terminar assistindo a algo tão enfadonho como uma ida ao dentista, um filme iraniano que trocaria por duas horas de câncer, ou a palestra da sua vida, uma orgia literária de orgasmos múltiplos como a exposição de Eduardo Galeano domingo, que fez meu lado velha esquerda, militante de mesa de bar saltar de prazer marxista.

Dando uma breve olhada nos convidados internacionais, na minha agenda pessoal e intransferível, minhas recomendações ficam com a palestra do escritor mexicano Carlos Fuentes (01 de maio) e uma escritora que eu acho bacaninha, Sandra Cisneros (05 de Maio), Americana. Mas fora isso tem todo o zum zum zum da feira, as jornadas literárias, os cursos, firma de livros e o delicioso bel bar niente do turismo entre os stands, soltando o cartão de credito por uma boa causa.

Não vou negar que se antes tinha paciência para longas jornadas com nomes pedantes e minúcias literárias tipo Borges- Kafta, similitudes estéticas ( estória real)…hoje me entrego sem culpa aos prazeres consumistas de comprar um bom livrinho ilustrado com projeto gráfico impecável por 100 pesos ao invés de 5 exemples dos clássicos da literatura de bolso no monte a granel.

Carlos Fuentes, imperdivel.

Menos Checov e mais quadrinhos, minha verdade senhores é essa. O ultimo livro sobre Grafiti em Buenos Aires, a nova edição de um clássico beatnik Japonês, aquele livro de receitas Gregas…

Meu negócio com a feira agora é cavucar. Você irá me encontrar agachada entre as prateleiras estranhas como de literatura infanto juvenil tentando encontrar acocorada o ilustrador perfeito entre montanhas de entulho literário, ou barganhando por livros de autores desconhecidos e títulos estranhos.  Eu definitivamente já tenho os clássicos e, verdade seja dita, faz muito tempo que um escritor contemporâneo nao faz girar meu mundo. Durante meu breve tour domingo, ainda passando por espasmos intelectuais pós coito após a palestra do Galeano, encontrei umas perolas.

Durante meu breve tour domingo, ainda passando por espasmos intelectuais pós coito após a palestra do Galeano, encontrei umas perolas como o livro La Venganza Inmortal. Um layout de morrer...

Tenho que confessar sair de lá a feliz proprietária de um livro sobre Mandalas ( que veio com lápis de cor para colori-las) e um manifesto de ódio muito bem editado contra os ex namorados.

 

 

La Venganza Inmoral, tipo de prazer mundando que ando privelegiando sobre os prazeres intelectuais...

Quem nunca cantou “você pagou com traição a quem sempre te deu a mao” que atire a primeira pedra. O livro La Vengaza Inmortal é um típico exemplo do que busca “Gaby” na feira do livro. Estou sempre atenta atrás de uma esquisitice para me resgatar do mundo das anêmonas e Best Sellers. O projeto gráfico tchutchuca, ilustrações geniais e uma compilação de frases venosas que internautas deixaram na pagina (que acho está fora do ar) WWW.dejaleunmensajeatuex.com fazem da primeira compra na feira este ano um achado.

Sinto sua falta, mas meu cartão de crédito não.”

“Me devolve o cachorro, quem o pagou fui eu.”

“Durmo em uma penthouse no 11 andar com vista para rio. E você como anda?”

“Você sempre me dizia que eu merecia algo melhor. Voce tinha razão.”

Tudo isso em letras garrafais, ilustrações de morrer por meros 30 pesitos.

Com isso termino com minha mensagem e um conselho: vagabundear pela Feira do Livro em Buenos Aires, comprar um monte de besteira, assistir a escritores que já estão dobrando o cabo da boa esperança e aproveitar o clima café literário que invade a cidade esta época do ano.

 

Fechas y horarios

 19 de abril al 7 de mayo de 2012

 La Feria está abierta para todo público hasta el lunes 7 de mayo, feriados inclusive, y en los siguientes horarios:

 ◦Domingos a jueves, de 14:00 a 22:00

◦Viernes y sábados, de 14:00 a 23:00

◦Domingo 29 de abril, de 14:00 a 01:00, horario extendido

 por celebrarse La Noche de la Ciudad en la Feria del Libro

◦Lunes 30 de abril, de 14:00 a 23:00

◦Lunes a jueves: $20.

◦Viernes, sábados, domingos y feriados: $26

Buenos Verdes

20 nov

O Jardim Botanico, tarde de ontem

Não sou exatamente um ser da selva de pedra. Em retrospectiva, sou mais um bicho do mato que uma cria da cidade. Quando cheguei a Buenos Aires, para começar a armar minha nova vida aqui, sofri um mínimo ataque de pânico quando vi a Plaza Itália. Nervosa como uma aranha viária, a praça, centro de Palermo, era para mim a representação visual mais palpável do que é uma cidade de 15 milhões de habitantes. Ônibus, hordas de pessoas , escapamentos, ruídos diversos, pistas difíceis de cruzar, mendigos, fizeram com que eu visse ai um lugar meio assombroso, mundo cão, dog eat dog. É engraçado como ao largo do tempo podemos adquirir visões completamente distintas das mesmas coisas. As cidades, conforme as vamos penetrando, vão se transformando com transcorrer do tempo; a Buenos Aires que via quando vim pela primeira no fim dos noventas me parece uma lembrança sonolenta de outra era, como um poema de Borges. A metrópole que encontrei quando cheguei com minha malinha de sonhos no começo do ano também já é distinta da cidade que hoje  chamo de casa com tanta propriedade. E assim vou trocando a roupa de Buenos Aires até o fim de minha estadia. Idolatrando o que me parece mágico, deixando cair na rotina o que já conheço.

Um dos exemplos mais dramáticos disso para mim virou a Plaza Itália.

O Jardim tem 31 obras de arte

 Como hoje moro a apenas três quadras dela, ela deixou o ar sinistro e ameaçador que tinha para mim tornando-se a porta de entrada para minha Buenos Aires verde. Ironias a parte, mostrando que a vida é mesmo uma questão de ponto de vista e ângulo, é por ela que passo quando preciso de ar. O lugar que antes para mim era o arquétipo da metrópole hoje é meu pulmão Cosmopolita. O tédio que é estudar todos os dias por largos períodos de tempo venho superando com a mudança de cenários. Assim, vou constantemente buscando novos lugares para levar para tomar sol meus enormes e enfadonhos textos.  Quando não agüento ver os dias lindos de primavera das janelas dos Cafés, arrasto minha mochilinha e minha resma de textos a basicamente dois Lugares: o Jardim Botânico e os Bosques de Palermo.

Acessivel a todos

Meu roteiro verde começa no Jardim Botânico, entrando pela Avenida Santa Fé.  Com uma sede principal, um herbário, uma biblioteca, 5 invernáculos e 31 obras de arte, o Jardim Botânico de Buenos Aires é uma viagem no tempo. Não fosse o barulho dos ônibus que circulam pelas ocupadas vias ao redor do lugar, seria possível sentir-se em uma dessas novelas de época da Jane Austen. A Argentina tem, sejamos sinceros, certa vocação aristocrática. Fosse por decisão daqueles que possuem as rédeas do país, a Argentina se mudaria para a vizinhança da França. Diferente do Brasil, ainda que conservemos cidades históricas, este país ainda cultiva em sua vida cotidiana certo desejo europeu. Está na arquitetura, na literatura nos esportes e até em certos hábitos argentinos. Embora isso se reverta às vezes em certa arrogância, mesmo que eu ache que argentinos são muito menos soberbos do que me pintaram, o melhor da Europa aqui é aproveitar as estruturas que esta onda européia deixou. O Jardim Botânico é um desses casos. É algo sublime aproveitar uma tarde durante a semana para ler aí acompanhada apenas de alguns das centenas de gatos que habitam o local.

O Jardim e seus habitantes

Reza a lenda que os gatos são deixados em memórias dos mortos, mas sinceramente são sei se isso é mito urbano ou não. Não gosto muito de pensar nisso quando estou sozinha ai. A controvérsia dos gatos não acaba por ai: blogs acusam o governo de haver exterminado 1.500 gatos a pauladas, o jornal La Nación chega a pedir uma solução para o problema e lançam-se campanhas na internet para a adoção dos bichanos. Enquanto o dilema dos gatos sinistrinhos do Jardín Botánico de Buenos Aires não se resolve eu continuo freqüentando o lugar desacompanhada de comida, pois outra lenda do lugar é que os gatos atacam frente à presença de comida. Verdades e mitos a parte, o lugar é um pequeno Oasis urbano.

Bosques de Palermo, meu segundo lar

 Seguindo a Av. Sarmiento, onde mais de 45 mil pessoas, cantaram “Força Estranha” junto a Caetano Veloso por ocasião da Feira do Livro, em um dos momentos mais arrepiantes que já vi por aqui, passando pela cerca viva do zoológico onde com sorte é possível ver flamingos banhando-se ao sol se chega aos Bosques de Palermo, um retalho verde na enorme colcha de concreto que se entende a beira do Rio Prata. Isso é Buenos Aires, com suas rua fechando-se sobre a pista e dando as costas á água. Embora, às vezes fique tão cansada da caminhada até os Bosques que o único que faça é me jogar como um saco de batatas sobre a grama na beira do lago, há muito para ver. Estive nos últimos dias no Rosedal, um frondoso jardim de rosas multicoloridas, e estão todas abertas dando ares vitorianos a

Fim de tarde nos Bosques, meu jardim secreto...

 Palermo. Por cerca de R$ 8 reais é possível alugar uma bicicleta ou patins e percorrer boa parte do parque e da Avenida Libertador. Se seu negócio é sombra e água fresca aqui também é seu lugar. Nos fins de semana fica cheio de famílias que terminam o passeio em choripan (literalmene pao com linguiça) , ainda sim é possível achar um cantinho de paz entre os patos ou ir andando até o planetário que nas noites de lua dispõe de lunetas para a observação da lua. Bienvenidos a mi Buenos Aires verde.

Viva Zapata –  Meus amigos da embaixada mexicana me alertaram e eu prometi deixar aqui o convite. Amanha é dia de Bosque. De meio dia até as oito da noite a Embaixada do México e governo argentino promovem um festival mexicano comemorando o Bicentenário da Independência e cem anos da revolução mexicana com direito a música ( meus queridinhos Los Paquitos tocam!) , comidinhas e arte. Com as altas temperaturas que já chegaram é a minha dica cultural para o sábado de fim de semana largo na capital. Deixo o convite aqui, as atividades comecam as 12h no Rosedal.