Archive | Buenas Baladas RSS feed for this section

Salvando Caio F.

12 set

Como jornalista nem sempre posso escrever boas estórias. Tragédias, ofícios, mercado financeiro, assassinatos, terremotos costumam dominar o noticiário. Já disse aqui que adoraria ser uma jornalista que escreve finais felizes ou realizar um serviço publico escrevendo sobre causas que exigem mais atenção que a perpetuação das exceções e anormalidades que abundam nas manchetes. Evita Perón dizia que onde há uma necessidade nasce um direito. Agora, se faz necessário dar uma mão aos amigos e falar sobre uma boa causa. Muita gente se empenhou, mas a casa do escritor gaucho Caio Fernando Abreu não virou museu. É se pensar como um país que despeja milhões num blog da Maria Bethania, com tantas licitações e atores que embolsam grana de filmes não fez por um dos maiores escritores brasileiros do século XX.

Agora, é preciso adaptar a batalha e seguir em frente com ou sem ajuda governamental. E é nesse espírito que nasce a Associação de Amigos do Caio Fernando Abreu que pretende fazer um pouquinho pela memória de um escritor que fez tanto por nossa cultura contemporânea. Hoje entrou no ar o blog CONFIRA AQUI!, uma batalha que vejo minha amiga Liana Farias travar há mais de um ano. Ajude, associe-se e desfrute de um pouquinho do que o Caio deixou para gente e celebre o que seria o aniversario de 63 anos do Caio se estivesse entre nosotros.

Deixo aqui minha pequena contribuição com a matéria que publiquei hoje em Buenos Aires para o jornal em que trabalho. LEIA NA EDIÇAO ONLINE AQUI!!!!!

E os desejos de muitas primaveras com Caio e de mais valorização do que é cultura no Brasil. Com tanta riqueza cultural, chega ser avarento não apoiar.

Saving Caio F.

By Gabriela G. Antunes

BuenosAiresHerald.com staff

Last year, Liana Farias, an obstinate newly graduated communications major from Brasilia , was in a crusade to save Brazilian famous novelist Caio Fernando de Abreu’s house from dismemberment. Unable to pay the mortgage bills for the house where Caio F. spent most of his life, and without any governmental support, the family was losing its battle to create a sanctuary out of his Porto Alegre home.

Since then, the house has been sold to ordinary tenants shattering Farias’ dreams of ever turning the house of one of the most important Brazilian contemporary authors into a museum and institute for young writers. The new tenants, in a good will gesture, have allowed a metal plate to be put in the house’s front gate facade as an indication of where the writer’s lived, a small token of appreciation for a man who has done so much for the countries’ contemporary literary history. A little contest was launched online by a local writer to decide which Caio F. citation should appear in the metal plate.

Brazilian novelist Caio Fernando de Abreu was born in Santiago do Boqueirao in the outskirts of industrial southern city of Porto Alegre in 1948 having published hundreds of short stories, plays, romances and children books in Brazil, Europe and in Argentina. A writer’s writer as well, Caio F. is seen as one of the giants of the Brazilian literature. Writer Lygia Fagundes Telles, an immortal of the Brazilian Literary Academy, used to call him the “passion writer” and one of Brazil’s biggest contemporary short stories writer, Martha Medeiros, calls him “super Caio” making him not only a hit on social networks but also on intellectual circles.

“ Caio F. Is one the most representative writers of his generation. He voiced relevant conflicts of his age, translated into words an entire era. He was also one of the first to freely and pungently to talk about sexuality issues,” explains Ítalo Moriconi, a University professor who compiled the novelist’s life correspondence into a book.

A journalist and columnist for the countries’ top publications such as Veja and Istoe magazine, newspapers O Estado de S. Paulo and Zero Hora, Caio F. has become one of the most important voices for at least two generations being one of the first to talk of about preservation and ecology also raising a flag for sexual minorities before dying of complications related to Aids in 1996.

“I came in contact with Caio’s writings back in 2003 when a friend of mine gave me a short story to read. I got obsessed and started acquiring every book I could get my hands on. I ended up writing a thesis on him. Since that day when I first read Caio’s work we never parted ways. I became involved with the preservation of his legacy, met his family, reunited his friends and started a crusade to preserve his work,” says Liana Farias as she tries to gather support for her new project aimed towards the preservation Caio’s writings.

A new generation of followers emerged since then. One of the writer’s Twitter profiles has over 100.000 followers and a Facebook applicative with his famous quotes is a hit on the internet with thousands of users. His reach even after his death have is turning Caio F. one of the most relevant Brazilian writers of the Twentieth century. “We are getting close to 50.000 followers which demonstrate that keeping his positive memory alive is worth it. With no marketing whatsoever and new followers coming in everyday, I still get surprised by the public response. It just ordinary people who like Caio´s writings,” explained Liliane da Silva Moreira, community manager of one of Caio F’s most prolific twitters accounts.

“I met Caio while working for Abril publishing house in Sao Paulo in the seventies. We were both young journalists, me an inexperienced author and him a more mature writer with a lot of journalist experience and published material. We clicked immediately and our friendship grew into one full of letters, cards, notes and faxes to each other. We travelled a lot together and our experiences quickly transformed into a literary dialogue in the newspapers’ columns,” remembers Caio F.´s famous writer friend Paula Dipp.

Caio F. writings transcended borders and arrived in Argentina by the hands of translator and Professor Graciela Ferrarris, a Cordoba province native, who fell in love with Caio’s work while in College. “I was seduced by his writing style, the neatness of his work, the subtleness and his poetic prose. He was a word affectionate and that becomes very evident in his texts,” stresses Ferrarris explained her reasons for bringing Caio F.’s universe to Argentina by translating his books.

Ferrarris stresses there are big parallels between Caio´s work and Argentine literature. “At some point Caio stated he related more with the “drifter” in Horacio Quiroga´s short stories than contemporary Brazilian authors who he felt were distant and encompassing different contexts,” she says .

Famous artists, writers, singers, astrologists, actors, presenters, journalists are among Caio F. followers and now coming together to try to save his work from forgetfulness. Unable to gather the necessary governmental support to buy out the novelist’s house from an uncertain future, Liana Farias embarked in a new project to preserve the writer’s memory. She gathered the latest novelist friends and admirers into an Association which goal is to preserve the writer’s legacy, organize his writings, honor his memory and bring the reader’s closest to him. The project is being launched today during an event organized by family and friends in Porto Alegre in what was supposed to be the author’s 63rd birthday if he were alive. It is yet another effort to save the writer’s memory from oblivion and government neglecting. As Caio used to say “what is drama today, always, will be quiet in memory tomorrow.”

Argentina no es México, o surrealismo criollo de Marcos López

24 ago

La humedad lo gris de Santa Fe. El resentimiento que provocan los amores no correspondidos. Además valga la aclaración: Argentina no es México. La Argentina son unos pastizales al sur con el guachaje en pedo riéndose de chistes que nunca entendi…(Marcos López)

Em um dos bares mais cool para extrangeiros na capital uma senhor chines nos olha de cima com uma faca enfiada no peito. Um certo ar de desdém e uma cara de mafia chinesa te encara por cima de garrafas de vodka dessas da melhor qualidade. Abrigado por um impressionante casarao em estilo academicista frances, o bar Million ( Parana 1048) eh realmente uma joia para languidas noites na Capital. Um lugar para desfilar entre endinheirados locais e estrangeiros, tomar drinks caros e fingir ser de outra era.

Um senhor chines nos olha por entre garrafas de Vodka.

Os donos restauraram o casarao de 1913 localizado perto da zona de Tribunales com carinho e fizeram dele lar de moveis impressionantes e de uma de uma das minhas fotografias prefereidas do fotografo argentino Marcos López. O senhor chines que te desdenha com uma faca engravada no peito eh uma boa metafora para o lugar que eh inegavelmente pretencioso. Ha quem ja se cansou do “surrealismo criollo” de Marcos López. Eu, pessoalmente, sou fan.

A Santa Ceia Argentina, Marcos López style.

Argentina nao eh mexico, nem almodovariana, mas eh surrealista gaucho style e unica. Mas, Marcos López eh pop latino.

Argentina no es Mexico...

 “Me gusta hablar de lo de acá. Universalizar la textura emocional de los recuerdos, las escenas de infancia, mezclarlos con lo que técnicamente se llama ‘color local’ y sentir, creerme, que estoy haciendo una crónica sociopolítica de la época, aunque esté pensando en el olor de la maestra de primer grado”, diz Marcos López que eh tao fan de Glauber Rocha que chegou a por o Nome Tierra en Transe em uma de suas mostras.

Marcos López, icones obvios, chame-o de cliche...o melhor deles. Argentinidade pura e concentrada.

Marcos chegou a Buenos Aires na década de oitenta vindo de um povoado da provincia de Santa Fé carregando melancolicas fotos em preto e branco permeadas da infancia no bucolico povoado de Gálvez ( que ate hoje nao supera os 20 mil habitantes) para transformar-se numa especie de Andy Warhol argentino, desculpem a pobre analogia.

Marcos López e sua Argentina pop.

Lo que se llamó El pop latino de Marcos López es un país de vendedores de terrenos virtuales, máscaras de brillantina, parques de diversiones de cartón, súper combos con fritas, campañas políticas berretas y afiches atados con alambre que prometen lo imposible. No hay personas sino personajes, bidimensionales, estereotipos a la enésima potencia”, diz o jornal Pagina 12.

A Argentina de eh uma festa pop, kitch e exagerada, com cores pouco vistas em uma pouco tropical Argentina, mas com toda a exageracao que lhe eh peculiar. López nao eh Cartier Bresson, nao eh Sebastiao Salgado, nao se compromete com os pobres ( tambem nao se descompromete), mas transforma o cinza Argentino no melhor humor sudaca. Um pop Argentino absurdo, quase Drag. Goste ou desgoste. Eu acho genial. Pop eh isso, nao Britney Spears. Isso vem do mesmo país que Maradona.

López traz algo de sua infancia em Santa fe.

ONDA VAGA: Fuerte e Caliente!

16 abr

Onda Vaga, la Buena Onda...

Buenos Aires estah no roteiro internacional das grandes metrópoles do mundo. Mas, vivendo por Palermo, e outros bairros centricos, ainda tenho a sensação as vezes que há um diminuto mundo como aquele que acontece como nas pequenas cidades, com seus músicos próprios, pequenas celebridades que transitam pelas ruas junto aos outros transeuntes, mitos e verdades, vizinhos, conhecidos e desconhecidos numa mescla de província e metrópole como em poucos lugares do mundo. As vezes, me sinto vivendo em uma maquete.

Forte e quente!

Minha Buenos Aires, naquela em que convivem Liniers, Kevin Johansen, também Cristina Kirshner e Mauricio Macri, celebridades nacionais e internacionais, aonde vai Ricardo Darin a Parrilla , eh tão plausível e palpável como aquele Rio de Janeiro onde se divide um coco na orla com Chico Buarque. Buenos Aires e seus heróis não são inatingíveis, pelo contrario, o desenlace das estórias acontecem pelas ruas de Palermo Soho, aquelas com eterna cara de outono, onde músicos sobem ao palco ovacionados e voltam a casa sozinhos com seus violões nas costas caminhando languidamente sob as veredas de arvores de Palermo Viejo. De certa maneira a cidade nos encolhe e aumenta de acordo com seus caprichos e não importa o que você fez durante a noite, no final você é mais um voltando meio embriagado em busca da Santa Fe, a avenida que sempre te leva a casa.Venho depois do show do Onda Vaga, sentindo a cidade como um lugar acolhedor e meu, depois de um difícil recomeço, pensando em apresentar no blog mais uma celebridade local. Fazendo as pazes com Buenos Aires, minha recreacao romantica com requintes passionais.

Lembrei-me da banda little darling da minha cidade, Moveis Coloniais de Acaju:

O grupo Onda Vaga e mais um das little darlings da Capital Argentina. A banda local que vai ganhando  mundo, mas que segue sendo um grupo querido pelos jovens da capital, daqueles que para seus shows juntam aficionados locais e curiosos que descobrem mais uma surpresa boa da capital. Com um som Manu Chao encontra a banda candanga Moveis Coloniais de Acaju, uma noite de fogueira encontra microfones, um grupo de amigos encontram um palco.

Como num churrasco de amigos...

 Um Show do Grupo Onda Vaga, faz de uma visita a Buenos Aires uma jornada ao seu coração provincial. Aquele em que bons amigos se juntam para comer um asado ( bom e velho churrasco) e fazer um som descompromissado. No final, são apenas bons meninos curtindo fazer um som juntos. O resultado é quase sempre um show alegre e bem humorado, como uma festa de torcidas, com gente cantando em coro, pulando e confraternizando como em um almoço de domingo.  Por aqui, eles ja sao pequenas celebridades, levando sua pequena legiao (boa parte feminina) de fas a loucura. Nao vou a nombrar ninguem, mas tenho amigas apaixonadas pelos “pibes” da banda, dessas que passam o show gritando “Hacerme un hijo!!!!!!!” ( me faca um filho!!!). Realmente, a energia eh tao boa que da vontade de levar os meninos para conhecer mamae.!!!Onda Vaga eh, como dizemos por aqui, Buena Onda Total!

Fica a dica do site dos meninos para os próximos SHOWS AQUI!

A recomendação para um link e um pequeno documentário descompromissado como a banda, eh a melhor forma de conhecer o trabalho deles sem ir a um Show. VEJA AQUI!

Gafieira Porteña

1 out
 
 

Ordem , Progresso e Samba: a gente mata saudade com churrascos na laje!

Há uma máxima do jornalismo que se o cachorro morde o homem isso não é notícia. Mas, se o homem morde o cachorro isso sim é notícia. Uma gafieira de samba em Buenos Aires não seria notícia neste blog. Todo país conserva pequenas versões de outros se existe algum fluxo migratório. Em São Paulo há a Liberdade, em Buenos Aires El Barrio Chino, em Nova York existe uma pequena Itália. Por todas grandes metrópoles do mundo exilados se reúnem para matar saudade da pátria distante. Chineses comem Dim Sum em Quebec, russos tomam vodka em Washington, Argentinos bebem mate em Salvador, Irlandeses festejam São Patrick na Espanha e brasileiros fazem churrascos em Buenos Aires. É difícil não cair no clichê dos retirados. Um dia te ataca um banzo de coxinha que não há empanada no mundo que cure. Não tem nada que amenize aquela vontade de comer pastel com caldo de cana. Não há placebo para a saudade de Skol e carne de sol. Aliás, só um solzinho já era matar um pouco dessa saudade.

"Nao deixe o samba morrer, nao deixe o samba acabar..."

Tenho uma grande amiga turca em Buenos Aires que outro dia me confidenciou que seu sonho era que um dia eu a recebesse falando turco. Aparentemente, não há um substantivo para saudade no império otomano, mas ela sente, como todos, as dores e delícias de viver no estrangeiro. E, por causa dessa saudade, que mais cedo o tarde, independente do grau de satisfação com o lugar em que vive, nos encontramos com as situações mais sublimes. Foi a saudade de dançar forró que levou uma amiga a contatar um grupo de samba na Capital. E foi num churrasco de domingo, desses em que o Zeca Pagodinho fica sussurrando ao fundo, que este  grupo de samba apareceu e me deixou boquiaberta. Argentinos, daqueles do tipo de Missiones, Argentinos da gema, assim por dizer. Argentinos cantando e tocando samba e pagode como se estivessem num churrasco numa laje na baixada fluminense. Assim descobri uma gafieira institucionalizada em Baires.Não só ela acontece, por mãos argentinas, como também acontece sempre, todas as quintas para Argentinos. Fica no “trendy” bairro de Palermo (Foynes Bar – Niceto Vega 4984, a partir das 22h30, quintas feiras), a passos da Plaza Armenia, esta Praça onde jovens casais muy argentinos e yuppies vem banhar seus rebentos de sol nos domingos. E acontece como no Brasil, com pandeiro, cuíca, mas sem mulatas. Acontece, da maneira polite Argentina, mas muito do bem feitinho. No telão vão passando as letras, para que os hermanos possam tentar cantar, mas é surpreendente mesmo o repertório dessa gente. É verdade que às vezes flertam perigosamente com o pagode e seu lailaiá insuportável, mas não é nem de perto um pagode mela cueca desses dos amigos do Alexandre Pires.

Versao Brasileira: Argentinos que arrasam no Samba, tocando no nosso churrasco numa laje porteña.

É, em sua maioria, um samba de qualidade de Noel Rosa a Martinho da vida, com participações especiais de Clara Nunes e Bezerra da Silva. Bem tocado, com dedicação e alegria, pelos pandeiros, cuíca e chocalho, tudo no ritmo e com um português quase impecável. Conversando descubro que é mais que um sambinha de quinta-feira é toda uma cena musical com grupos conhecidos e público cativo. O Malandragem, por exemplo,  toca nos domingos em San Telmo (Club Sirah, Balcarce 601). É o Brasil que está “de moda por aqui” com sotaque castelhano, feito com tanto carinho que nos deixa emocionados. Está na hora de olharmos com bons olhos a quem nos quer bem. Viva Perón!

Mendoza: Decance avec Elegance

15 ago

Nada te prepara para os Andes...

Minhas previsoes se confirmaram. Esta manha quando me levantei  trazia comigo minha primeira ressaca mendocina.  Nao sei se foram os ares da montanha ou as jarras de vinho e, posteriormente o Fernet, mas eu fiz da jaca uma pantufa. Tudo comecou com um jantar super inocente nessa Pulperia incrivel, chamada El Palenque (Av Villanueva Aristides 287),  onde comemos as melhores batatas fritas e empanadas que ja comi na vida.

Se montanha eh sua paixao, Mendoza eh seu lugar

Alias, Mendoza esta batendo recordes com frequencia. Soh hoje, ja nos olhamos umas dez vezes para dizer “ eh o melhor que ja comi, que ja bebi, que ja vi”. O penguino, uma jarrinha em forma de Penguim muito tradicional na argentina, que normalmente traz o vinho da casa, entrou nesse Gabi’s book of records tambem.  E foi assim que minha ressaca de hoje comecou ontem. Encorajada pelo o vinho, resolvi alargar a noite no bar que os meninos do albergue sugeriram: Por Aca bar. Mendoza esta cheia de duplos sentidos. Era o comeco do meu fim porque o alcool, antes de matar, humilha.

Paisagens de Mendoza sao liricas...

Existe inegavelmente um climinha de alta montanha em Mendoza diificil de explicar. Ja vivi sensacoes semelhantes em lugares que sao ponto de partida para expedicoes e esportes radicais. A impressao eh de festa no campo base. Alpinistas, turistas e locais se misturam e criam estes ares de montanha club social que, em Mendoza, se estende por toda a movimentada rua Aristides Villanueva.  

Alta montanha social club

O tal do “ boliche” ( boates e lugares de diversao noturna em geral se chamam assim na Argentina) tinha uma trilha sonora de arrebentar. Comecou com um pouco de clima festa na High School, mas logo uma faixa etaria mas adequada tomou conta da pista. Dancei todo tempo ao lado de uma parede que tinha um Kurt Cobain em tamanho real festido de cheer leader. I know it’s only rock n roll but I like it!

Termas de Caucheta, foi preciso coragem para nos unirmos a esse pessoal ai

Como ja haviamos combinado, resolvemos levar a cabo o plano de boiar o dia todo nas Termas Caucheta. Essa eh minha primeira grande dica. As termas de caucheta consistem em lindissimas piscinas de pedra com agua borbulhante termal em um cenario estonteante, perigosamente beirando o abismo, e cortejando de perto pontudas montanhas, que  parecem que vao se derramar no vazio. Ha piscinas dentro e fora. Foi preciso tirar coragem da minha reserva de bravura para entrar nas piscinas abertas, mas nao ha nada que se compare a boiar numa piscina quentinha a poucos metros de uma montanha nevada emoldurada por um profundo vale invernal –  desses pintados desses tons sutis de cinza e beje. Se soubesse que havia este lugar, teria entrado ha tempos na minha “top coisas a se fazer nessa vida”. Como o destino de todas piscinas abertas ao publico parece sempre ser o de afarofar-se, existe uma leve tendencia a isso nas piscinas internas das Termas. Mas, vi o capricho dos funcionarios zelar pelo lugar de maneira classuda, achei digno. Decadence avec Elegance.        

Cacheuta: a vista

Pegamos um onibus comum do terminal de Mendoza pela bagatela de 5 reais ida e volta. A viagem dura aproximadamente uma hora. Mas, nao recomendo no inverno. Nao tem calefacao e na volta tive caimbras devido ao frio no interior do onibus. Alias, o frio eh uma  coisa que nao parei de sentir desde que cheguei. Ja nao lembro o que eh sentir calor.

O melhor lugar para se ter uma ressaca...

De maneira maior ou menor, estou sempre com frio por aqui. Vale a pena investir no modelito boneco de neve para nao passar de amador como eu. No caminho, vinha pensando como apesar da intensa vida noturna, Mendoza nao tinha muitos atrativos e talvez tenha me adiantando ao marcar tantos dias na cidade em meu apertado calendario quando a paisagem me deu um tapa de luva. Montanhas sao o desejo de megalomania da natureza. E eu, ja disse aqui varias vezes, sou loucas por ela. Mas, nada te prepara para dar de cara com uma parede de pedra que perfura o ceu em formas tao variadas e soberanas que nao te deixam outra opcao senao pensar dentro de niveis distintos de consciencia que a natureza eh de onde o homem veio e para onde ele vai. Eram dezenas de montanhas intercaladas por cenas natalinas, ternas, pequenas chamines lancando silenciosamente fumaca para fora de casebres, encostas cobertas de neve, arvores testemunhando o vento, tudo em uma paleta de cores que jamais seria capaz de descrever. Depois de boiar umas horinhas, fomos explorar a regiao, e vejam soh,  comer a melhor carne que ja comi na Argentina na Parilla que fica a poucos metros da entrada das termas. Vai pro recorde.

" Eram dezenas de montanhas intercaladas por cenas natalinas, ternas, pequenas chamines lancando silenciosamente fumaca para fora de casebres, encostas cobertas de neve, arvores testemunhando o vento, tudo em uma paleta de cores que jamais seria capaz de descrever."

 Nos divertimos na ponte pencil que se extende por cima de um rio no fundo de um vale.

A ponte e o vale

 “ Uma ponte pencil que se extende por cima de um rio no fundo de um vale” dispensa outras observacoes, adjetivos e parabolas. Eh simplesmente lindo. A volta foi dolorasamente fria, vim consolada pelas montanhas ate o anoitecer, depois nos deixaram a merce do clima, inospito. Mendoza eh, neste noite de inverno, um sonho com um pouco de elegancia e decadencia, na medida da certa, do jeitinho que eu gosto.

Sideways, entre umas e outras

12 ago

 

Eu e o blog, como dizemos por aqui, nos vamos de vacaciones. É isso, no bom e velho jargão, vamos dar uma volta, um rolé. Ver o que temos mais ao sul. Tenho que confessar aqui minha ignorância com relação à Argentina. Até agora, o mais longe que fui foi Tigre, quarenta minutos de trem da Capital. Embora Buenos Aires aspire ser o centro do universo, e mais ainda ser a representação mais fiel do que é a Argentina, não é. Há muita terra ao sul. E vamos começar por Mendoza.  Aproveitando a carona, incluímos no roteiro o Chile também. Mais precisamente Santiago, Valparaíso e Viña Del Mar porque eu sou uma adolescente perigosamente me aproximando dos trinta que ainda não superou Neruda.

Eu gosto de montanhas porque nunca as tive

A idéia é muito simples: ir bebendo nosso caminho até lá a la Sideways. Bodegas, muito vinho e o que não pode faltar sempre que estou presente: muita confusão. Como dizem alguns amigos por aqui “Gabi, a ti te pasan las cosas más raras”. Tenho planos, mas por experiência própria sei que eles são a primeira coisa a cair nas minhas viagens. De qualquer forma, pelo menos para Mendoza, tenho uma lista de coisas imperdíveis para fazer. E, no topo, está visitar o Aconcágua. Não consigo dormir só de pensar. Já falei aqui da minha fascinação por montanhas. Sou de Brasília, onde uma montanha é um substantivo abstrato. Sou como os retirantes de Vidas Secas de Graciliano Ramos que tem uma cadela chamada Baleia sem ter nunca visto o mar. Adoro montanhas porque nunca as tive.

Alguém pode ser seriamente feliz com vinho e Neruda

Para o Chile o projeto é menos ambicioso: a idéia é comer centollas ( aqueles caranguejos gigantes), seguir tomar vinho e ver o mar. Porque sou mais do tipo que se mareia em terra firme e, como Buenos Aires vem caprichosamente dando as costas ao Rio Prata, sinto falta de ver aquela água se derramando na beirada do mundo. Estou ciente que o mar de Valaparaíso não passa de uma zona portuária, mas serve para os meus propósitos de ver que o mundo tem saída de emergência. Vou postando, na medida do possível, minha Odisséia pelo sul. Vou sem grandes expectativas nem ilusões, sem condições e limites, talvez apenas uma, como diz o personagem Miles no filme Sideways: “I am not drinking any Merlot!”.

It takes two to Tango!

3 ago

Podem tirar a meia arrastão do armário e preparar o saltinho! Vem aí o Festival Mundial de Tango! Mais informações e programação completa ACÁAAAA!!!!!