Tag Archives: Palermo

Ricardo Darin: Ups He Did It Again!

3 maio

Eu já o comparei ao Tony Ramos. Mas, sem justificação, esta analogia seria muito injusta. Apenas que, Ricardo Darin está em todas, assim como o Tony Ramos. É um dos rostos mais reconhecidos da dramaturgia argentina. E costuma ser protagonista de boa parte da produção cinematográfica exportável daqui. Mas, ca entre nos, não da nem para começar a comparar. Para não exacerbar o humor dos leitores, prefiro me ater as qualidades de Darin e não ser uma detratora de minha própria cultura.

Darin, voce mora na parte dedicada a Argentina no meu coracao!

Ricardo Darin é a cara do argentino dono de um rosto daqueles que variam entre a beleza e a feiúra, mas que sempre vem permeado por expressivos olhos azuis. Talvez, eu não consiga por em palavras, mas quando vejo Ricardo Darin atuar reconheço nele refletido varias pessoas que conheço ou personagens comuns das ruas da capital. De alma muy argentina. De vilão a mocinho, Darin é uma espécie de herói e anti-herói argentino. E, dizem que é uma simpatia. Gente como a gente, como relatam vários amigos que já tiveram a sorte de um rendez vouz pelas ruas da capital. Mas, afortunadamente, o melhor de Darin está acessível para todos. Suas ultimas participações em filmes nacionais foram todas imperdíveis. Vale à pena curtir um pouco do ator em filmes como Nueve Reinas, Luna de Avellaneda, El Hijo deLa Novia, El secreto de tus ojos e finalmente o filme tchuchuca que está em cartaz por aqui Un Cuento Chino.

Assisti ontem à noite, depois de uma hora de fila no Cinemark Palermo, crianças gritando por pipoca nos halls do lugar, no que pareceu o único programa da gélida noite de ontem quando os termômetros da capital despencaram de uma hora para a outra antecipando o inverno com temperaturas súbitas de 3 graus. Um filme simples, de mensagem austera traz o Darin em seu melhor: uma personagem argentino, com sua profundidade sudaca, seu multilateralismo psicológico, densidade e simplicidade em medidas agradáveis. Comovente e engraçado, de narrativa simples e desprendida. Sai da sala pensando: Danadinho! He did it again! Mais uma bola dentro do Darin. Então, fica a dica, ponha um pouco de Darin na sua vida, no Brasil ouem Buenos Aires, quando der. E Un Cuento Chino eh um negocio da china!

Anúncios

ONDA VAGA: Fuerte e Caliente!

16 abr

Onda Vaga, la Buena Onda...

Buenos Aires estah no roteiro internacional das grandes metrópoles do mundo. Mas, vivendo por Palermo, e outros bairros centricos, ainda tenho a sensação as vezes que há um diminuto mundo como aquele que acontece como nas pequenas cidades, com seus músicos próprios, pequenas celebridades que transitam pelas ruas junto aos outros transeuntes, mitos e verdades, vizinhos, conhecidos e desconhecidos numa mescla de província e metrópole como em poucos lugares do mundo. As vezes, me sinto vivendo em uma maquete.

Forte e quente!

Minha Buenos Aires, naquela em que convivem Liniers, Kevin Johansen, também Cristina Kirshner e Mauricio Macri, celebridades nacionais e internacionais, aonde vai Ricardo Darin a Parrilla , eh tão plausível e palpável como aquele Rio de Janeiro onde se divide um coco na orla com Chico Buarque. Buenos Aires e seus heróis não são inatingíveis, pelo contrario, o desenlace das estórias acontecem pelas ruas de Palermo Soho, aquelas com eterna cara de outono, onde músicos sobem ao palco ovacionados e voltam a casa sozinhos com seus violões nas costas caminhando languidamente sob as veredas de arvores de Palermo Viejo. De certa maneira a cidade nos encolhe e aumenta de acordo com seus caprichos e não importa o que você fez durante a noite, no final você é mais um voltando meio embriagado em busca da Santa Fe, a avenida que sempre te leva a casa.Venho depois do show do Onda Vaga, sentindo a cidade como um lugar acolhedor e meu, depois de um difícil recomeço, pensando em apresentar no blog mais uma celebridade local. Fazendo as pazes com Buenos Aires, minha recreacao romantica com requintes passionais.

Lembrei-me da banda little darling da minha cidade, Moveis Coloniais de Acaju:

O grupo Onda Vaga e mais um das little darlings da Capital Argentina. A banda local que vai ganhando  mundo, mas que segue sendo um grupo querido pelos jovens da capital, daqueles que para seus shows juntam aficionados locais e curiosos que descobrem mais uma surpresa boa da capital. Com um som Manu Chao encontra a banda candanga Moveis Coloniais de Acaju, uma noite de fogueira encontra microfones, um grupo de amigos encontram um palco.

Como num churrasco de amigos...

 Um Show do Grupo Onda Vaga, faz de uma visita a Buenos Aires uma jornada ao seu coração provincial. Aquele em que bons amigos se juntam para comer um asado ( bom e velho churrasco) e fazer um som descompromissado. No final, são apenas bons meninos curtindo fazer um som juntos. O resultado é quase sempre um show alegre e bem humorado, como uma festa de torcidas, com gente cantando em coro, pulando e confraternizando como em um almoço de domingo.  Por aqui, eles ja sao pequenas celebridades, levando sua pequena legiao (boa parte feminina) de fas a loucura. Nao vou a nombrar ninguem, mas tenho amigas apaixonadas pelos “pibes” da banda, dessas que passam o show gritando “Hacerme un hijo!!!!!!!” ( me faca um filho!!!). Realmente, a energia eh tao boa que da vontade de levar os meninos para conhecer mamae.!!!Onda Vaga eh, como dizemos por aqui, Buena Onda Total!

Fica a dica do site dos meninos para os próximos SHOWS AQUI!

A recomendação para um link e um pequeno documentário descompromissado como a banda, eh a melhor forma de conhecer o trabalho deles sem ir a um Show. VEJA AQUI!

La Onda Sana

14 abr
 

Tiendas Naturales: meu preferido

Eu sei que quem vem a Buenos Aires vem na onda mais carnívora que Hannibal Lector, mas, atenção, Buenos Aires living pode causar o entupimento de suas artérias e alargamento de suas medidas. Não se pode viver todos os dias comendo bifes com mais de um palmo de altura que, como ilhas, estão cercados de gordura para todos os lados e acompanhados de um Aconcagua de batata frita, nem milanesas do tamanho de um jogo americano. Não me levem a mal, quem me conhece sabe que sou a coisa mais distante que se tem noticia de uma vida saudável regada à alface e tofu. Sou mais junky que a Re Bordosa, tão sana quanto Keith Richards. Mas dizer que portenhos vivem exclusivamente de parrillas é o mesmo que contar que baianos comem moquecas todos os dias.

Nao da para viver de parrilla…

É certo que o cheiro característico da cidade é o mesmo daquele seu churrasquinho de domingo e que não há nada mais acolhedor que um choripan, mas, no dia a dia, me vejo cada vez mais em busca de restaurantes que tenham sucos de frutas em seus menus, coisa que não é tão comum assim em Buenos Aires. Nunca me imaginei salivando ao pensar em um peito de frango grelhado acompanhado de batatas ao forno e suco de laranja. Mas, esse desejo é cada vez mais freqüente. Outro dia quase abracei um garçom que me ofereceu uma salada de frutas de sobremesa. Comi com os olhos cheios d água, pensando que era uma ironia que, em uma cidade cujas confeitarias são reluzentes que joalherias, sentiria tanta falta de uma salada de frutas. 

Opcoes para nao entupir as arterias...

 

Acho inútil julgar os hábitos culinários e gastronômicos de qualquer cultura. Esse, é claro, tópico de muitas discussões entre Argentinos e Brasileiros por aqui. Brasileiros podem achar a comida dos hermanos pesada, mas imagine o estrago que uma feijoada ou qualquer prato com azeite de dendê pode ocasionar no delicado estomago ariano argentino. Embora a dieta baseada em opções quase sempre carnívoras, massas, doces e folheados possa parecer agressiva ao paladar brasileiro,  não se assuste se um argentino te enumerar uma serie de itens da culinária cotidiana brasileira que entrariam facialmente para o ranking das 10 top comidas mais letais da historia da humanidade, troféu Fura Bucho mesmo. E eu devo confessar que depois de esbravejar contra as medialunas aqui no blog agora sou candidata ao Medialunas rehab, pois não posso para de come-las. Meu pânico aumentou quando descobri uma loja das Medialunas Del Abuelo aqui na esquina. Apenas as melhores medialunas da cidade. Tive que morder a língua.

Se o seu negocio eh comer bem, compre um!

Uma coisa eh certa: nos possuímos mais diversidade alimentar que eles. Com uma agricultura um pouco mais perene, dimensões territoriais mais reduzidas se comparadas as nossas e vocação geográfica para a pecuária a Argentina não eh o éden tropical ao qual estamos acostumados. Faltam um montão de frutas, verduras e cereais que fazem parte de nosso menu de todos os dias no Brasil.  Ausência notória também são os self-services que não são comuns nessa parte do continente. Felizmente, dado ao status quo de meca gastronômica e tendências cosmopolitas, Buenos Aires segue sendo um ótimo lugar para comer.E foi tentando fugir dos prazeres da carne, bifes de brontossauro e acompanhamentos fritos que eu descobri o fantástico mundo das pequenas delicatessens naturais. Desde então nunca mais comi um bife de chorizo caros leitores. E me sinto obrigada a dividir meus achados.

Vamos la:

 
 

Nao vou mentir, viciei.

Tiendas Naturales:

Depois que me mudei para este pedacinho de Palermo entre o Parque Las Heras e Av. Santa Fé, ando explorando, with a little help of my friends, a região que eu chamo de Baixo Las Heras, uma zona ótima cheia de cafés e restaurantes e a fina bossa portenha. O Tienda Natural ( Cabello 3401) segue direitinho a bíblia dos restaurantes meio bistrô meio naturebas de Baires. A diferença é que a comida é mesmo boa. O sanduíche de peito de frango, brie e chutney de maçã é simplesmente divino. Para quem curte uma salada transada este é o lugar. E a boa noticia é que os preços são pra la de justos e o atendimento amigável. Alias, para Buenos Aires o atendimento de la é mais que amigável. Outro dia ganhei de uma simpática garçonete uns bolinhos de cenoura para comer rezando. Mas, embora, as sobremesas façam jus a boa comida do lugar, vale a pena caminhar uma quadra ate um café super little darling chamado Nucha ( Salguero 2587), cujos os docinhos parecem pequenas jóias e eh possível tomar um café ao som de um jazzinho ambiente e ver a chuvinha fina cair pela janela.

http://www.tiendas-naturales.com.ar/

http://www.nuchacafe.com/

Natural Deli: Eu gosto da sucursal na rua Laprida 1672, um local super agradável, na auspiciosa vizinhança de Aguero, sob veredas de arvores e com um pequeno armazen de produtos orgânicos. Perfeito para um almocinho light ou mesmo um café orgânico. Eu simplesmente adoro a torta integral de espinafre e cogumelo. Os menus de almoço e jantar também são qualquer nota, outro dia comi um filet mignon com purê rústico de batatas e almendoas que estava levinho juro e dos deuses!

Natural Deli, uma excelente opcao. Vedette de Aguero!

 http://www.natural-deli.com/index.php?seccion_generica_id=450

Spring: Com uma proposta um pouco diferente das delis naturais, o Spring ( Bulness 2577)  tem uma enorme vantagem para quem sonha com abundancia e variedade: eh self service ou, como chamam por aqui, tenedor libre,  para comer a vontade. Vegetariano e asiático, barato e ambiente menos cool que os outros o restaurante quebra um galho pois eh super barato e gostoso. Mas, não espere charme, porque não esta no cardápio. No entanto, a comida, principalmente para quem é vegetariano, é bem interessante. Eu gosto!

http://www.springrestaurante.com.ar/

Tea Connection: Vai na mesma linha que as outras delis orgânicas, mas já virou um franchising. Para mim, que desconheço a historia desse tipo de estabelecimentos em Buenos Aires, é o pai de toda essa onda deli natural. Mas, embora super gostoso e possivelmente o mais arrumadinho de todos, não eh meu preferido. Acho o cardápio conciso demais. Mas, não se iluda, costuma ser a melhor opção de almoço da zona. Tem seis sucursais e águas saborizadas que são incríveis. Não é barato, também não é absurdo,  mas vale a pena.

http://www.teaconnection.com.ar/

Origen: Já parei para tomar algo, mas ainda não comi La. Mas é em San Telmo numa região bem turística e bacana, perto de uma loja que eu adoro, a Cualquer verdura, da melhor torta de limão de Buenos Aires ( Del Limonero) e de um restaurante ótimo, o Habib. Super recomendados por amigos.

Humberto 1º 599

http://www.guiaoleo.com.ar/restaurantes/Origen-2432

Deixo AQUIIII! tambem o link para um post que fiz sobre meus caminhos zen e restaurantes vegetarianos que eu gosto na cidade.

 E recomendo que comprem o guia da divinissima gourmet Narda Lepes, uma biblia gastronomica!

Phuket: sudeste asiático sem modismos

9 abr

 

Sudeste Asiatico sem frescuras

Depois de ser literalmente assaltada por um restaurante da moda e com o orçamento visivelmente reduzido pela inflação argentina, vinha me mantendo longe dos restaurantes bacanas de comida do sudeste asiático que abundam nas distintas ruas de Palermo. A vida da classe media portenha, às vezes, confesso, deixa de me interessar e , tenho preguiça do bel far niente das noites de Palermo onde os casais e famílias quase que britânicas passeiam seus salários como se estivessem na Europa e não nesse comarca humilde do mundo. Mas, um amigo insistiu e eu resolvi fazer uma pequena extravagância no restaurante Tailandês pelo qual passei diversas vezes em minhas andanças pela região. O restaurante Phuket de origem familiar e proposta gastronômica honesta fica nas entranhas da Rua Honduras e não deve ter mais que a metragem de uma kitnete pequena.  Mas, é um grande lugar onde se pode comer bem, conversar languidamente com os donos, pedir uma sugestão para um vinho e terminar de pança pra cima antes de escorregar num taxi pra casa.   Depois de morar anos em Washington D.C, onde os restaurantes tailandeses são uma instituição e adquirir um gosto de sommelier para o arroz, confesso que sou super cética com as propostas de curry da capital. Mas este simpático cantinho entrou para historia, pelo menos para mim, como o melhor Tailandês da cidade, um rinconcito a luz de vela feito um rendez vous romântico e jantares com amigos.

Phuket, um curry para chamar de meu....

 

 A comida é fiel aos preceitos asiáticos e não é preciso empenhar a mãe para comer bem. O lugar é bem pequeno, são poucas mesas, recomendo efusivamente fazer reserva. Fica a dica:

Honesto, barato e delicioso...

 Está aberto de segundas a quintas a partir das 20hrs. Sextas e sábados para almoço e jantar. Não abre aos domingos.

Honduras 4169

Web:
http://www.phuketwok.com.ar
Mail:
phuketwok@yahoo.com.ar

Tel 4861 1679

Noches Armenias

23 mar

 Para chegar à lista do que ha para comer e beber no cardápio é preciso atravessar pelo menos umas dez paginas de

Meio Casamento Grego, Meio Clube da Lua, meio bingo, o jantar da Uniao Armenia de Buenos Aires eh um happening no bairro!

publicidade da comunidade. A barbearia de fulaninho, a loja de bijuteria de cicrana, o negocio de molduras de Jorge, a agencia de viagens de Florência.Para achar o edifício é preciso perguntar ao porteiro dos edificios vizinhos. Para chegar ao enorme salão onde se serve o jantar é preciso descer dois lances de escada.  Talvez seja o clima de bairro, de clube, de bingo que tenha me inebriado, algo de Godfather armênio. Mas, ha algun tempo tenho um programa favorito as sextas feiras. Dessa vez, eu prometo nao comer ate a tampa e voltar para casa caminhando sob uma sinfonia de ” ai & ui” e ficar depois como uma jibóia que comeu uma capivara, digerindo o jantar por semanas. Vou me comportar. Eu sempre me faço promessas vãs. O jantar na Sociedade Armena acontece, religiosamente, todas as sextas feiras. Cozinham as mães, servem os filhos. Come a gente que descobriu este segredo em Buenos Aires. Eu descobri este lugar porque sou uma intrépida bloggeira e leio tudo que me cai nas mãos. Desde então tenho este programa sextas pela noite ( tambem aos sabados, mas como sou uma senhora cheia de manias me habituei a ir nas sextas). É uma benção e uma praga, pois arruína qualquer esqueminha noturno pos jantar, mas é o que me mantém dormindo relativamente cedo para estar acordada nas manhas de sábado, quando tenho aula onde Judas perdeu as botas. Desde então, venho organizando pequenas excursões de amigos para lá. A desculpa é levá-los a um lugar diferente, mas a verdade é que preciso de companhia para meu banquete armênia quando os mais próximos ja enjoaram de minha obsessão mediterrânea.

O cenario, a decoracao kitch e o clima eh meio como do filme O Casamento Grego

O lugar me lembra este filme do qual participou o Tony Ramos local ( com as devidas reservas e diferenças capilares, compara em termos de popularidade apenas), Ricardo Darin, o Clube da Lua. Um misto de loucura entranhada em cada unidade de bairro e tradicao que troppo me agrada! Existe, uma vez que lentamente abandonamos nosso avatar de turista, uma vida endógena de barrio em Buenos Aires, é um climinha de vizinhança, com uma aura de domingo no parque, com a presença familiar dos mais velhos e a frescura dos bebes que correm erraticamente pelos salões e festas da classe media. Depois de duas vezes que você vai a um lugar já passa a ser cumprimentado pelo nome e a chamar seu garçom pelo nome. É a cidade que sente saudade da província, a metrópole em seus bolsões de bucolismo.

Nao sei muito bem porque mas me lembrou o Clube da Lua, filmao!

Quando eu conto os pratos para minha amiga turca, que não vai porque tem medo de ser hostilizada dada a historia animosidade entre turcos e armênios, ela me diz ” mas manti eh turco!”.

Quando lhe falo das dancinhas que acontecem todas as ocasiões quando no meio do jantar os estudantes – garçons

Eh comer e depois ir para a casa como uma jiboia que engoliu uma capivara!

 fazem uma animada apresentação de quinze minutos, ela me diz que são definitivamente danças turcas. Eu lhe digo que vou meter-ta dentro de um grupo de brasileiros e ninguém vai reconhece-la turca, fulaninha da silva, eu lhe chamo. Ela saliva quando lhe falo dos shish kebabs, das berinjelas ( porque são loucos por elas), do yogurt e baklavas e ela morde seu lábio inferior em delírio nostálgico. E é definitivamente a melhor comida ” árabe” que já comi; ficando claro que chamo de ” árabe” para que meus leitores identifiquem que tipo de comida que é.

A certa altura esse homem com cara de dono de loja de Swarma, com os últimos botões da camisa abertas deixando a mostra um grosso cordão de ouro, nos pergunta: ” Algo para anunciar? Aniversários, bodas de ouro, celebrações, formaturas, negócios?”. É o momento que nos entreolhamos e dizemos: ” No, nada” e esperamos pelos os próximos vinte minutos de comemorações na mesa 70, aniversario na mesa 33, noivado na mesa 15 e tantas outras comunicações do ” Armenian times” em Buenos Aires.

Comida de deixarqualquer outra na chaoun!!!!!

A comida é boa e barata e, se alguém tiver um espírito aventureiro, é possível, por 20 pesitos a mais, ler a sorte na borra de café. Depois, é voltar para casa e por a pança porque o máximo de after depois desse jantar é um filminho acompanhado de uma caixa de baklavas, sim porque sobremesas para levar são um must.  Provincianismo e metrópole se misturam numa noite meio Casamento Grego encontra Perfume de Mulher, vale a pena conferir e esbaldar-se armenian style! Lembrei-me do unico personagem armenio das novelas brasileiras, a Dona Armenia da Rainha da Sucata. E vou te contar que esse jantar colocar qualquer outro jantar etnico da cidade na chaoun!

Servico:

 Unión General Armenia de Beneficencia ( Armenia, 1322)

http://www.ugab.org.ar/site/

Reservas:

4773 2820

Nós 4 e Dois Labradores

28 jan

 

Conheci o Fábio Nagel da maneira que se conhece a maioria das pessoas em Buenos Aires: de forma inusitada. Estava parada semi boquiaberta de frente ao mural de grafite que a vista da minha janela estava ganhando e ele estava de câmera em punho filmando o trabalho dos meninos que vieram por ocasião de uma mostra no Centro Cultural da Espanha. Não demorou muito começamos a conversar e descobrimos que éramos brasileiros, do ramo de comunicação e apaixonados por Buenos Aires. Ele me contou que veio a Capital, respirar novos ares com a família, mulher, filhos e labradores. Ontem, me mandou um vídeo que fez com sua tripulaçao que é pra lá de bacana. Um testemunho de amor á cidade, pequeno relato dos lugares que viu e esteve com sua trupe e uma excelente overview de alguns dos lugares e personagens mais emblemáticos de Buenos Aires. Vale muito à pena assistir. Obrigada a Fábio Nagel e sua família. No vídeo estão alguns dos lugares que eu adoro na cidade, como o Bodegón que ficava praticamente na esquina do meu apartamento, O Preferido de Palermo, o Palácio das Águas Corrientes ( meu antigo quintal de casa) e, nas cenas finais, meu bequinho da Rua Viamonte sendo grafitado. Muito bom!

Wi Fi World

29 nov

 Eu sei que isso vai soar super geek, mas eu sonho com um mundo todo Wi Fi zone. Pronto falei. Depois de passar muitos dias lindos de sol enfurnada em cafés enquanto as pessoas espreguiçavam-se nas praças como gatos felizes sob o sol – eu presa a minha conexão – vinha alimentando esse sonho. Se você mora longe de sua família, ou trabalha e estuda incessantemente como eu, entende do que eu estou falando. Com as temperaturas subindo, os dias ensolarados chegando depois de um longo inverno, Buenos Aires volta a ser uma cidade mais agradável do lado de fora que de dentro dos lugares. Apesar do calor, as pessoas vão encontrando mais e mais motivos para sentar-se nas praças e achar seu lugar ao sol. Por isso, quando soube que duas grandes empresas ( Gowex e Cablevisión) iriam transformar as principais praças da cidade em wi fi zones achei que isso merecia um post comemorando. A primeira praça será a Plaza Houssay, que fica em frente à faculdade de medicina, começando em meados de dezembro. Depois, os melhores espaços da cidade ganharão o serviço em uma adesão mês a mês até final de 2011. Pelo o que soube, minhas praças e parques preferidos estão na lista para tornar-se wi fi zone.

 
 

A praça da Faculdade de Medicina será a primeira a ganhar o serviço

 

Eu já me vejo brincando de skype, ligando e dizendo aos meus que estao longe dos dias que estão fazendo na cidade. Entre as Praças e espaços que serão wireless para o deleite dos internautas estão: Dorrego (Humberto 1° e Defensa); Plaza Serrano(Honduras e Serrano) Armenia; Angel Gris (Avellaneda eDonato Alvarez); plaza Arenales (Chivilcoy e Pareja); plaza Libertad (Paraguay y Libertad); parque Santojanni (Patrón eMartiniano Leguizamón); plaza Constitución; plaza Mariano Moreno (Rivadavia e Montevideo) ; plaza Rodríguez Peña (Callao e Paraguay; De la Democracia (De la Torre e Berón de Astrada); parque Avellaneda (Directorio e Lacarra); parque Chacabuco (Eva Perón e Curapaligüe); parque Lezama (Paseo Colón e Martín García); parque Lavalle (Libertad e Lavalle); plaza Belgrano (Juramento e Cuba); parque Saavedra (García del Río eMelián); Paseo de la Infanta (Libertador e Freyre); el Rosedal (Iraola e Infanta Isabel); parque Rivadavia (Rivadavia e Doblas); parque Centenario (Díaz Vélez e Marechal); plaza Martín Fierro (Urquiza e Barcala); Jardín Botánico (Santa Fe e República Arabe Siria); la Plaza de la República (9 de Julio e Corrientes); la Plaza de Mayo (Balcarce e Rivadavia) e parque Las Heras (Las Heras e Coronel Díaz). Muitos desses lugares são super turísticos (como a Plaza de Mayo, por exemplo) e os que não são deveriam entrar na lista pois são um must see! Agora, é rezar para que o wi fi venha com aumento de policiamento. Não está fácil andar com um lap top pelas ruas da cidade. Há momentos em que Buenos Aires parece Gotham city, sem o Batman…